Devaneios tolos... a me torturar.

sexta-feira, 22 de março de 2013

É proibido proibir

Oi geeente!


Nas últimas semanas as redes sociais e locais de encontro de jovens tiveram um assunto comum em pauta: a última moda de curtir o final de semana no Autódromo, com som automotivo, bebida e diversão.

Sentindo-se “acuados” pelas novas normas que definem horário de fechamento de casas noturnas, com uma série de restrições nas ruas centrais, cujos postes ostentam placas proibitivas com relação ao som, eles decidiram partir para um local mais isolado.

Porém, atrás de si, muitas vezes deixavam rastros de sujeira, garrafas quebradas, copos plásticos, e muito, muito lixo. Quem passou por lá num dia pós-festa, questionou se o lugar desses “porquinhos”, não seria dentro dos currais do Parque de Rodeios.

E aí, claro, reclamações e mais reclamações na comunidade. E novamente, os jovens perderam o direito a extravasar toda sua energia.

Outro ponto que gerou muito debate foi o som automotivo, agora proibido nas dependências do Autódromo. Som, só do ronco dos motores.

Novamente protestos, gente esperneando de um lado, gente esperneando de outro.

Compreendo a posição dos moradores das proximidades do Autódromo. Muitos, ainda são agricultores, despertam cedo para um dia de trabalho árduo, e têm direito ao sossego e descanso de uma boa noite de sono. São famílias que aguentavam até o amanhecer músicas de gosto duvidoso, ecoando em um raio de até três quilômetros, e fazendo as vaquinhas de leite dançarem ao ritmo de “Camaro Amarelo”.

Resumo da ópera: proibição.

Se você leitor, que não faz parte do grupo de jovens que curtia um som no Autódromo com os amigos, não mora nas proximidades do local das festas, e não é um dos tradicionalistas que precisam limpar a sujeira após as festas, fatalmente se posicionará no meio do tiroteio.

Pensará no adolescente que tem em casa, cheio de energia, buscando diversão, reunir amigos e curtir uma das fases mais belas e despreocupadas da vida.

Pensará nos fãs de som automotivo, apaixonados que literalmente montam boates ambulantes em seus veículos automotores.

Pensará nos tradicionalistas que encontram o lugar onde desenvolvem suas atividades, transformado num chiqueiro.

Pensará nas pessoas que têm direito a uma noite de sono tranquilo.

E, no final, refletirá: tem que haver uma solução que satisfaça a todos.

Obviamente que nossos jovens não devem ser tratados como bandidos, trancafiados em casa sem direito a cumprirem seu papel: serem jovens!

Precisamos encontrar meios de promover eventos e locais adequados para que extravasem sua juventude, sua sede de viver.

Cadê cinema, cadê cultura, cadê diversão?

Ser jovem não é pecado, e sinceramente, tenho uma pontinha de inveja desses malucos que veem a vida como um verdadeiro parque de diversões. Sobre eles, sei que uma coisa é certa: vão crescer.

E quando não cometemos todas as “burradas” na idade certa, deixamos para cometê-las na idade errada.

Que não tenhamos jovens que aos 40, resolvam fazer tudo que lhes foi proibido aos 16.

Mas... por outro lado, não podemos passar a mão na cabeça daqueles que cometem excessos. Diversão não rima com anarquia, com selvageria, com falta de respeito, com falta de consciência.

Os maus deveriam ser punidos, os bons recompensados. Mas, infelizmente, em todos os aspectos, vivemos em uma sociedade em que os bons pagam pelos maus.

Até quando?

2 comentários:

  1. Olá Michele, queria deixar meu parecer pois acho q como andam as coisas em nossa cidade esta muito difícil de se prever um futuro bom e harmonioso, não esta se conseguindo chegar em um meio termo estão proibindo tudo ao invés de regulamentar (definir horários, locais, normas de segurança, limites,etc...) sou usuário de som automotivo tenho um conhecido (paredão) em meu veiculo e apesar de não ter frequentado nenhuma destas festas polemicas no autódromo na Sexta-Feira não aprovo as atitudes de muitos jovens que frequentaram esses eventos sem segurança nenhuma sem limites, sem organização nenhuma com shows de veículos em manobras perigosas, rachas, brigas, etc...
    Porem acho q os jovens tem sim o direito ao lazer e extravasar suas energias e não podem ser tratados de modo geral como bandidos, vândalos, ou marginais por isso vários jovens estão se organizando criando Grupos cada um com seu objetivo e acho q merecem sim ser ouvidos e merecem sim uma chance de provar que é possível sim conciliar diversão saudável com ordem e boa ação...

    ResponderExcluir