Devaneios tolos... a me torturar.

sábado, 17 de setembro de 2011

Viagem pela Europa: Raízes e Asas

Oi geeeente!


Raízes e asas.
Alguém famoso já escreveu sobre isso. Asas para voar, raízes para ter pra onde voltar. Como é bom ter um lugar pra se sentir em casa, e pra se chamar de seu.
Depois de fazer mais de 25 mil quilômetros, atravessando o Atlântico, percorrendo a França, a Itália e a Espanha, posso dizer que me sinto muito feliz em ser brasileira, em viver nesse país de gente incrível, e em voltar.
Lugares e pessoas.
Conheço muitos lugares no Brasil e na América do Sul. Sempre disse que o melhor dos lugares são as pessoas. Não na Europa. Principalmente na Itália e na França, o melhor dos lugares são os lugares. Uma beleza indescritível, tanto em arte, quanto em arquitetura, e principalmente com relação à natureza. Dos três países, o que mais me marcou foi a magia de Veneza, o charme de Florença, o glamour de Nice, e a viagem no tempo em Toledo, uma cidade medieval preservada. Porém, em matéria de gente, fico mil vezes com os espanhóis, porque de franceses e italianos, trago má impressão. Gente fria, individualista e muito, muito mal educada.
Mama ingrata.
Pra quem sonha em voltar à “nostra Itália” eu digo: não é por nada que o país tem forma de bota. Você só leva bico na bunda dos italianos. Gritalhões, antipáticos e mal educados, eles tratam os turistas como coisas, não como pessoas. Vi muita gente sendo destratada ao pedir informações, e em geral os atendentes de hotéis, restaurantes e lojas, são secos, frios e sem paciência. Lembram dos nônos mão de vaca? Dos antigos carrancudos descendentes de italianos? Sim, eles ainda não evoluíram na Itália. Um famoso aqui de Guaporé faria o maior sucesso por lá. A Itália nos remete à nossa história,para nós, é envolta em poesia. Talvez por isso,logo que a gente percebe que por lá, a recíproca de amor não é verdadeira, a gente se decepcione. Como o país recebe milhões de turistas, por lá, somos apenas mais na multidão. Por isso meus queridos, não esperem tratamento vip na Mama Itália não. Lá tudo é muito caro, e existe taxa até pra respirar. Na Fontana di Trevi, fui tomar um sorvete e o atendente era um legítimo cavalo puro sangue italiano. Eu perguntava, ele não entendia, não respondia, e me mandou escolher logo. Duas bolinhas de gelatto me custaram 25 reais. Deduzi que o Imperador César deva ter tomado o primeiro sorvete de Roma naquele lugar, porque pra ser tão caro, só pode ter história.
Olé!
Já na Espanha tudo é mais caloroso! Os espanhóis são mais gentis e simpatizam com os brasileiros. Em Madrid, facilmente nos locomovemos de metrô, tomamos o tal trem rápido pra Toledo, e fomos para todo o canto, sempre com a ajuda das pessoas.  Adorei estar lá! Senti-me muito bem recebida, e encantei-me  com a cidade de Barcelona, seu clima, sua diversidade. A cidade não dorme nunca, e as pessoas não têm medo de ser originais. Todos os tipos e estilos circulam pelas ruas, como iguais.
Vocês já me imaginaram aí na praça, na madrugada, de bermuda, camiseta, chinelo de dedo, lendo um livro deitada na grama? No dia seguinte me internavam.
Essa é a vantagem das cidades grandes da Europa. Você tem uma liberdade maior de ser, de ousar, de se sentir livre sem ser vigiado ou julgado. Os parques estão repletos de gente namorando, conversando, lendo, descansando, caminhando, praticando atividades físicas. Não importa a hora ou o dia da semana.

As cafonas somos nós.
Outro ponto que eu ressalto é o charme das mulheres e dos homens. Como sabem se vestir! Como são LINDOOOS!!! As mulheres, mesmo básicas, são elegantes. Os homens são estilosos. Os cabelos,  a maquiagem, os acessórios, tudo chama a atenção pela simplicidade e pelo bom gosto. Aqui, nossas peruas se enchem de salto, de cores, de penduricos, tudo justo e brilhoso, e mais parecem um pinheirinho de Natal da 25 de Março, mesmo que usem grifes. Lá, pelo contrário, com grifes ou não, as roupas são sóbrias, porém cheias de estilo. É inexplicável como elas sabem compor um visual. Elas sabem sobrepor peças. Não por nada, as grandes marcas estão por lá. Óculos de sol divinos, chapéus, cintos e bolsas circulam pelas ruas como em um desfile de moda. As mulheres são naturais e andam de bicicleta de salto, e super produzidas. Aliás, a bicicleta equivale à BMW local. Nas ruas estreitas, as “bicis” estão por todas as partes, e os engravatados estacionam suas bikes em seus locais de trabalho como se estivessem com o último modelo Porshe. Viva a simplicidade luxuosa!
Voltamos diferentes
O que posso resumir de minha viagem é que ela foi transformadora, enriquecedora. Mostrou-me como somos pequenos em nosso mundinho, mas ao mesmo tempo como nosso mundinho é bom. Mostrou que é preciso abrir a mente, deixar pra trás os preconceitos, utilizar os bons exemplos e crescer. Precisamos crescer como cidade, como pessoas, como país, mas sem perdermos nossa maior riqueza: o sorriso, a prestatividade e a acolhida que temos para com os outros. Mesmo que eles tenham melhor infraestrutura, mesmo que eles sejam considerados primeiro mundo, mesmo que estejam em muitas coisas, passos a frente de nós, ainda assim, eles têm muito que aprender com os brasileiros!

Brasil
Encontrei dois casais voltando da Itália, para reconstruir a vida no Brasil. Com uma crise das brabas, muitos brasileiros que não têm formação específica ou qualificação em algumas áreas cujos salários são altos, estão praticamente trabalhando para comer. Batalham duro, ganham pouco para o alto custo de vida, e desistiram de viver no exterior. Voltam com saudades e com esperança, afinal, se tem um lugar no mundo onde vive a esperança, esse lugar se chama Brasil.
Que bom voltar em setembro, no mês da Pátria e poder dizer que o melhor do nosso país, somos nós!
E que igual ao povo brasileiro, não há no mundo!

























 Alguns dos cenários inesquecíveis: Ilha di Capri, Barcelona, Florença, Madrid,  Nice, Pisa, Roma, Toledo, Nápoles e Pádua.

8 comentários:

  1. A Itália ficou mais bonita, ah ficou!!!

    ResponderExcluir
  2. Lindo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!1!
    Bjs! Esses lugares ficaram ainda mais lindos com sua magnífica presença!

    ResponderExcluir
  3. Miche...te mandei tomar um sorvete por mim mas não na Fontana di Trevi...rsrsrs.

    Lindo texto e verdadeiro! Só quem conhece esses lugares pode ver como são diferentes daquilo que ouvimos falar!

    ResponderExcluir
  4. hahaha Cleimara, agora vamos ter que rachar o prejuízo hahahaha

    ResponderExcluir
  5. As vezes navego pelos blogs desconhecidos em busca de novidade e hoje encontrei o teu e gostei. Parabéns pela boa escrita!

    Concordo com a Cleimara e isso é verdadeiro para tudo, só conhecemos mesmo algo ou alguém quando vivemos a experiência desse ato.

    Belas fotos!
    Abraço

    ResponderExcluir
  6. As vezes navego pelos blogs desconhecidos em busca de novidade e hoje encontrei o teu e gostei. Parabéns pela boa escrita!

    Concordo com a Cleimara e isso é verdadeiro para tudo, só conhecemos mesmo algo ou alguém quando vivemos a experiência desse ato.

    Belas fotos!
    Abraço

    ResponderExcluir
  7. Obrigado!!! Fico mega feliz quando alguém me visita!! Um beijo!

    ResponderExcluir