Devaneios tolos... a me torturar.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Ridícula, eu?


Oi geeeente!

Por acaso vocês me acham ridícula?Vocês conhecem alguém ridículo? E o que vocês pensam sobre pessoas assim?
Sabe gente, eu conheço uma porção de pessoas ridículas. Que se expõe a situações ridículas. E querem saber? Quem é ridículo é que é feliz.

Eu sempre tive verdadeiro pavor de fazer papel ridículo na frente dos outros. E isso tem limitado muito minha vida. É uma espécie de fobia.

Quando era mais nova (há pouco tempo atrás, óbvio!!), tinha pavor da professora me chamar para dar uma resposta em voz alta na frente da turma. Tinha medo de errar e parecer idiota. Por isso nunca fui uma aluna brilhante, a mais popular, a que ganhava papel de destaque nas peças teatrais.

Preferia passar fome e morrer de inanição a me render a comer uma banana no recreio. Por certo o apelido de macaca me perseguiria por toda a eternidade.

Quando adolescente, fui pra academia de ginástica e na primeira aula, uma moça subiu na esteira, e ao aumentar o ritmo de caminhada, acabou levando um tombo fenomenal. Resultado: toda a vez que eu vejo uma esteira, fico pensando que quando eu subir nela, todas as energias eletrônicas da terra vão desregular a velocidade, fazendo ela correr mais rápido que a luz, me jogando feito uma lagartixa na parede, e enquanto eu for escorregando parede abaixo, todo mundo vai ficar rindo de mim. Resultado prático: juro, NUNCA na minha vida subi em uma esteira. Sério.

E quando fiz minha carteira de motorista, “resolvi” arrancar na terceira marcha e saí pulando feito uma perereca em plena praça central. Fiquei tão traumatizada de vergonha, que nunca mais andei pelos arredores da praça. Meu medo do vexame é tanto, que o medo do ridículo me impede de dirigir. Não dirijo há um ano. Sério.

Quando abro a boca para apresentar um cerimonial, juro, que preciso engolir, junto com o ar que respiro, toda a coragem do mundo para não sair correndo e me esconder debaixo da primeira mesa que encontro. Morro de medo de errar, e pagar mico.

Pessoas que sofrem com isso, lutam a vida toda para se superar. E certamente, por mais competentes que sejam, perdem muitas, muitas oportunidades, por medo de arriscar, de perder, de parecer ridículo.

Não falamos as coisas certas para as pessoas certas para que não nos julguem fracos, emocionais e... ridículos. E acabamos perdendo pessoas importantes por causa disso.

Não experimentamos aventuras em esportes, em competições, em shows de calouros, em qualquer atividade que não dominamos. O medo de errar é maior que a coragem de tentar.

Eu morria de medo das aulas de educação física. Era desengonçada demais. Nunca cantei em karaokê. Nunquinha. E o medo de parecer uma taquara rachada?

Eu sei que muitas pessoas sofrem com isso. O ridículo é limitador em todos os sentidos, desde o romântico e sentimental, até o prático e profissional.

Quem não arrisca, acaba não conquistando coisas importantes.

Por isso, toda a vez que ouço alguém falando mal de mulher no volante, de homens ou mulheres que se relacionam com pessoas mais novas, de pessoas que depois de dois mil anos de casado resolvem se separar e começar de novo, de quem começa a dançar aos 78 anos, de quem se veste da maneira que se sente bem (mesmo que seja gótico), de quem assume sua sexualidade sem medo de se expor... eu penso: eles são felizes. Ou pelo menos estão tentando ser.

Outro dia, estava ali na Sorveteria Guri e chegou um casal, onde a havia uma diferença de idade de 10, 15. Uma pessoa recalcada ao extremo falou baixinho: que ridículo.

E eu pensei comigo mesma... ridículo é ser infeliz.

Se expor, arriscar, tentar, pagar mico, falhar, acertar, errar é processo natural de crescimento. Quem não se arrisca, vive pela metade. E a vida é curta demais para que desperdicemos tempo com bobagens. Vamos nos permitir.

“Mas eu desconfio que a única pessoa livre, realmente livre, é a que não tem medo do ridículo.”Luis Fernando Veríssimo

“O ridículo não existe; os que ousaram desafiá-lo de frente conquistaram o mundo.” Octave Mirbeau

Então, sejamos todos ridiculamente felizes.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Poema da eterna despedida.

É incrível como tem um momento certo pra tudo na vida. Um encontro, por exemplo: pode ser apenas o acaso, ou pode ser o destino. Um desencontro. Pode ser somente mais um fato, ou pode ser um carma longo e sofrido.
Quando não tomamos a decisão certa, na hora certa, embaralhamos os destinos e passamos, sem querer a interferir no destino dos outros.
Durante muito tempo, alimentei a indecisão. Depois, tomei a decisão, e não fui correspondida.
Então, decidi virar a página e mudar de estrada.
Mas em cada curva do caminho, alguém me seguia. Desde então, não consegui mais me livrar dessa sombra. Chega a ser triste esta presença, às vezes silenciosa, às vezes não.
Às vezes só a zelar, às vezes a sussurrar belas palavras, curtas e que soam tão sinceramente.
Às vezes, um raro toque. E assim, nunca o esquecimento.
Como é ruim não conseguir, não poder, não receber o consentimento para o fim.
Gostaria de ficar só com as lembranças, pois, futuro não há.
Mas sei, e por suposto, deve ser de conhecimento geral, que uma história de amor só termina, quando dois colocam um ponto final.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Cuidado com o over...



Oi geeeente! Tudo?

Nesta semana andei observando a necessidade que ser visto e lembrado. Não é à toa que quase todo mundo possui orkut, facebook, twitter, blog, site, etc, etc, etc. E se bobear, tá de calcinha e sutiã em um outdoor na entrada da cidade!
Com a democratização da internet e com a rápida exposição para o mundo inteiro, todo mundo tem seu espaço e pode virar celebridade. Mas aí o universo virtual se divide em dois grupos: os que tem muito a dizer e a mostrar, e os que nada tem a dizer e vencem pelo ridículo.
Queridos, amados, idolatrados... a necessidade de registrar seu modo de pensar, suas ideias, suas viagens, seus amigos, sua opinião, seu talento, é uma coisa muito positiva. Em qualquer lugar que você esteja, você acessa seu note book e lá está, diante dos seus olhos, toda sua vida. É possível mostrar suas aventuras a parentes e amigos distantes, ou simplesmente, matar a saudade de pessoas e momentos, ali, na tela do computador.
É possível demonstrar seu talento artístico, através de vídeos caseiros, e torcer, para quem sabe, algum caça-talentos descobrir você no You Tube!
Lembre-se sempre de não deixar disponíveis dados pessoais, como telefone, endereço, ou qualquer dado comprometedor. Há muitas pessoal mal intencionadas. Na vida real ou virtual.
O mundo da net tem muitas vantagens! Mas por outro lado... o que se vê é um verdadeiro show de horrores.

Aqui em Guaporé, agora criou-se a turma do “Todo mundo tá feliz? Tá feliz! Todo mundo quer dançar? Quer dançar!”...

Jesus-Maria-José! A mulherada cai na balada, e geralmente volta pra casa só com gripe na carona do carro. E pra registrar a felicidade “mor” de ser solteira e mega-hiper-super-feliz... bate novencentas e noventa e nove mil fotos. Elas se agarram no banheiro (básico), na cozinha (geralmente com a pia cheia de louça suja), no quarto (que tem roupa, chapinha, calcinha suja, secador de cabelo, cachorro, gato, galinha e papagaio espalhados pelo chão). Elas aparecem se passando a mão na bunda, e com as coxas em evidência, e às vezes agarradas a uma garrafa de Caninha 51, fazendo caras e bocas. O resumo do piegas. O quadro da dor. Na moldura do desespero.

Tudo bem, registrar uma ou outra festa das luluzinhas, engraçada, com fotos hilárias, e rir depois com as amigas. Mas essas fotos que cito, aparecem TODOS os finais de semana, e já começam na quinta, parando de pipocar no domingo à noite.

E as casadas-solteiras-viúvas-freiras? Gente, elas começam a namorar e já colocam no status do orkut: CASADA! Entram no orkut do bofe e deixam lá suas marcas, colocando a aliança no dedo virtual do pobre homem também. Dias depois, estão “solteiras”. Na semana seguinte, “namorando”, e depois de um mês, amaldiçoando os homens e jurando serem fiéis somente ao nosso Pai do céu, já que nenhum homem presta.

Quando amam, postam fotos dos dois deitados na cama, limpando a sujeira do ouvido um do outro, tirando pelinhos românticos do nariz, ou correndo nus pelo morro do Gallon. Quando brigam, mandam frases desaforadas, geralmente com péssimo português, do tipo: “Meu findi foi ENESQUECÍVEL! Agora você me perdeu, axa o que?” ou “Agora sou SOLTERA e ninguém vai me SEGURÁ” e ainda “Fica com aquela PIRUA, me perdeu”.

Socorro meus lindos! Até o ridículo tem limites. Vamos expor o que é para ser exposto. Vamos compartilhar o que é para ser compartilhado. Vamos registrar o que merece registro. Essa história de bater foto sentada no vaso e postar no twitter, no mínimo, cheira mal.

É muito engraçado ver o Mike do Mosqueiro cantando Tcha naná! Mas sua mãe de calcinha e sutiã em book caseiro exposta no orkut, aí é um pouco demais!!!

Falando sério (mais sério): quem nunca cometeu um pecado desses aí, que atire a primeira pedra. rsrsrsrs

sexta-feira, 14 de maio de 2010

SEXO!

Oi geeeente!
Hoje vamos fazer, ops, falar... de sexo!


O Ministério da Saúde recomenda: sexo faz bem pra saúde! Muito sexo, faz muuuuito bem pra saúde!
Depois do anúncio do Ministro Temporão de que fazer sexo faz bem pro coração, pro cabelo, pra pele, pras unhas, combate a hipertensão, e é bom pra car...amba, alguns guaporenses tiveram a confirmação de algo que já diziam há muito tempo: faça sexo e viva mais! (Tem uns aí que vão viver uns 200 anos... rsrsrsrs)

Mas falando sério: quando o Ministro recomendou sexo cinco vezes por semana... algumas guaporenses pegaram a mala e resolveram fugir de casa. Era demais pra cabeça delas.

E um cabeleireiro da cidade me contou que chegou a cliente toda faceira pedindo uma sessão de sexo, e logo após uma escova progressiva. Te mete!

Mas melhor são as meninas de “vida fácil” ( e longa rsrs) que trabalham nas boates instaladas em Vista Alegre do Prata e que atendem os centenas de homens que trabalham na construção das usinas, da ponte e no asfaltamento da estrada... Se sexo faz bem pro cabelo, elas logo-logo vão desbancar a Gisele Bundchen na propaganda do Pantene!

Tem uns homens aqui na cidade, que se depender de sexo... não vão ter ataque cardíaco nunca! (A não ser que o marido da moça chegue bem na hora H! hahahaha)

E tem mulher por aí, que além de mau humor, anda desfilando com o cabelinho tão opaco... e pele cheia de pereba, e a unha quebradiça!

Calma sofredora amiga... tenho certeza que o Ministro vai dar um jeito! Daqui uns dias, sexo vai ser como o SUS... todo mundo terá direito... mas tem que enfrentar a fila! No SUS você já divide o quarto, custa dividir a cama? Não dá nada, melhor um filé dividido, do que ficar no osso sozinha, né Fi!

Gente eu acho que em Guaporé ou o povo faz muito sexo... ou pratica muito sexo oral... só fala, fala, fala, fala e não faz NADA!

Então fofoqueiro amigo! Vai pra casa, pega a patroa e vai ser feliz e saudável!

O Ministério da Saúde recomenda sexo contra a hipertensão, e o sexologista João Borzino, apontou vários benefícios do sexo para a saúde: “O sexo faz bem para o corpo todo. Ele melhora o funcionamento do nosso sistema de defesa, deixa a pele mais bonita, faz a gente dormir melhor”, explica Borzino. “Além disso, é um exercício físico: ele queima calorias, tonifica os músculos, controla o colesterol”, explica.
Sacou?

Bom, era isso: beijos gente, orgasmos múltiplos pra todos! Eu tô indo malhar! Hahahaha

"Só existem duas coisas importantes na vida. A primeira é o sexo e a segunda eu não me lembro." (Woody Allen)

“Sexo: o prazer é momentâneo, a posição é ridícula e as despesas são exorbitantes. “
(Lord Chesterfield)

“Sexo causa gente.”
(Millôr Fernandes)

“Sexo é imaginação....Fantasia. Amor é prosa. Sexo é poesia...” (Rita Lee)
Pra fechar: o assunto sexo em Guaporé movimenta o comércio. Não venham dizer que não... quando uma empresa produz, uma mulher compra, e um homem vê... aqueles maravilhosos conjuntos de lingerie produzidos por aqui... a única coisa que vem pela cabeça (e outras partes) é: sexo! Além disso as empresas investem na venda de produtos eróticos, fantasias, acessórios e muito mais. Há sex shop na cidade.

E esse assunto rende muitas pautas! Desde sempre os desafios da sedução, da conquista, do prazer e do amor, movem homens e mulheres. São motivo de grande felicidade, são motivo de grandes tristezas. É humano, normal, saudável. Mas é preciso, sempre, responsabilidade. E querido, não fique aí lendo isso escandalizado. Vou te contar um segredinho... sua MÃE, aquela santa criatura também fez sexo... senão, você não estaria aí... lendo esse nosso espaço!

Beijosssss!

Me escrevam... vamos tomar um cafezinho, e colocar o papo em dia:

Michele@tl.com.br

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Vencendo pela gentileza...


Oi geeeeeente!!!
Os novos ricos da cidade que me desculpem. Mas dinheiro não compra educação.

Como é triste observarmos o tamanho da barriga de alguns novos ricos, que de posse de dinheiro e grandes negócios, esquecem da mais rica prática do dia-a-dia: a humildade. Engoliram o rei, e estão com ele na pança.

Verdadeiros pinheirinhos de Natal desfilam por aí cheios de grife e zero de bom gosto, entram em suas salas pomposas, só tem tempo para uma nova intervenção estética, e na prática, estão cada dia mais feios: por dentro e por fora.

Mas pior que os novos ricos sem educação, são os pobres que se auto-promoveram superiores. Geralmente vem na cauda do cometa maior, o novo rico, ou assumiram cargos importantes em alguma empresa ou instituição, e como não sabem lidar com o poder, dão shows públicos de arrogância, mau humor e falta de respeito ao próximo.

Eu fico olhando às vezes a humilhação que algumas pessoas sofrem nas mãos destes “chefes”, e penso comigo mesma: pobres novos ricos. Pobres novos chefes. Pobres de espírito.

Há tempos que me muni de um escudo contra todo o tipo de gente de mal com a vida, de aura ruim: o bom humor, a educação, o sorriso.

Já treinei uma expressão infalível: “a cara de paisagem”. Sorrio e olho profundamente nos olhos da pessoa mal educada. Toda pessoa estúpida fica desarmada diante de um sorriso.

Ela está aí, amaldiçoando o universo, pisando em todo mundo, chutando cachorro na rua, e você simplesmente a desarma com um sorriso e um “olho no olho”.

Acredito na vitória da gentileza. Este tipo de atitude, se momentaneamente não surtir efeito, com o tempo, em sua vida, proporcionará grandes mudanças.

“ De maneira sutil, você pode sacudir o mundo.”

Pessoas que buscam afirmar seu poder humilhando, não conseguem encarar os outros nos olhos. Porque os olhos mostram a alma, e a alma dessas pessoas é tão inferior à sua...

Se você sustentar o olhar, mostrar os 32 dentes da boca (31 no meu caso, já que não tenho um canino hahaha) e aplicar um “bom dia”, um “muito obrigado”, um “por favor, me desculpe”, você mostra o quanto superior VOCÊ é.

Então, você estará plantando sementes de gentileza por onde andar. Irá afastar de seu lado pessoas pessimistas, pequenas, sem educação, negativas e autoritárias.

O verdadeiro líder pode aplicar em você o mais duro sermão. A mais dura repreensão. Mas você saberá, que o objetivo é vê-lo crescer. E não diminuí-lo. O chefe que grita e humilha, não nasceu para a liderança.

Dinheiro não compra educação. Poder não compra admiração. Status não compra respeito. O maior chefe é o que lidera, não o que ordena. E nem toda a riqueza do mundo vale uma pessoa que pratica a humildade.

Mas mudando de assunto...

Estávamos outro dia fofocando sobre belíssimas mulheres que se tornam prostitutas de luxo. “Se vendem” à diretores de novela, à altos empresários, à artistas, para conseguir um lugar ao sol no mundo desejado da fama. A base da venda do corpo por dinheiro é a mesma da mais pobre prostituta da Avenida Farrapos, em Porto Alegre. Só que com mais “glamour”.
E depois de algum tempo, essas “modelos”, se tornam “celebridades”, e então... ninguém mais as atura.
Então... duas personalidades bem conhecidas aqui do meio político e empresarial, me perguntaram: - Você acha que toda a mulher tem um preço? E ampliando: - Você acha que todo homem tem um preço?
Quem, em uma situação de dificuldade não se “venderia”? Tem muita menina bonita que se vende por 10 reais, 50 reais na cidade. Essas são as “prostitutas”. Mas tem mais formas de prostituição. Tem muito homem que também se vende. E muita gente que se vende com classe, sustentando relações sem amor, alicerçadas no dinheiro. Mas e você, sinceramente, tem um preço?

Talvez, se pensar a fundo... você também esteja à venda... de alguma forma.

Mural de recados:

Meus lindos, a coluna de hoje foi escrita com base em alguém que conheço e que sofreu uma situação muito difícil, diante de um chefe sem educação. Guaporé, tem, em sua grande maioria, pessoas que conquistaram o sucesso por serem líderes e empreendedores. Merecedores.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Como nos leem os que nos odeiam...




Oi geeeeeente!
Meus amados queridos idolatrados leitores, vou começar com uma frase de efeito nessa semana:

Há vida inteligente na terra. Mas estou só de passagem! (haha)

Por mais que as outras pessoas possam dizer que não, nós sabemos que existe vida inteligente na terra, na nossa terra. Em Guaporé.

E estas pessoas inteligentes ficam sabendo dos “bafos” que acontecem, dos bastidores da informação, das polêmicas, e depois sabem ler as notícias publicadas nos veículos de comunicação local, e à partir delas, formar sua própria opinião.

Ninguém consegue manipular o povo todo como uma massa burra, que tem orelhas grandes e urra. Ora, as pessoas sabem das coisas, tiram suas próprias conclusões, tomam seus próprios partidos.

Somente os descerebrados são marionetes. E quero crer que são poucos os acéfalos de Guaporé. Embora, eles existam.

Mas agora, trago a Martha Medeiros à pauta para confirmar algo que todos nós já desconfiávamos: como cuidam de nossas vidas os que nos odeiam! Incomodamos tanto, que passamos a ser o centro das atenções. Devemos ser fortes, e importantes, então. E aí, publico um trecho que retrata bem como é difícil ser imprensa em Guaporé. E que mostra também... COMO NOS LEEM OS QUE NOS ODEIAM!

“ Uma sociedade plural é muito melhor do que uma sociedade em que todos pensam igual. Sem divergências, nada evolui ― nem o pensamento, nem o país.

Quem escreve em jornal sente na pele essa dinâmica de opiniões conflitantes. São tantos os leitores, das mais variadas origens e crenças, que fica absolutamente impossível almejar uma unanimidade, só em santa ingenuidade.

Você fala em sexo e desejo, o outro salta condenando o hedonismo. Você clama por charme na vida, o outro salta condenando que é elitismo.

Quem tem razão?
Cada um tem a sua, e que se atreva alguém a dizer quem está certo ou errado. Há tantas verdades quanto seres humanos na terra.

Falou bem do PT? Rendida, vendida, mal-intencionada. Falou mal do PT? Rendida, vendida, mal-intencionada. Não falou de política? Alienada.

Usa palavra antiga, entrega a idade. Usa uma palavra nova, está inventando moda. Que palavra está em voga?

Voga???

O mesmo texto tudo provoca: uns te amam, outros te toleram e alguns não perdem a chance de te esculachar. Como te leem os que te odeiam!!!!!!!!!!!!

Você toca profundamente o coração de uma senhora e com o mesmo texto enoja um estudante. Uma professora te agradece a contribuição em sala de aula, outra proíbe que os alunos te convoquem.

Você defende as minorias e alguns vibram com a referência, outros têm certeza que é deboche. E nem ouse citar Deus em suas crônicas, apenas em suas preces.

É uma aventura a cada linha, uma salada mista a cada ponto de vista. Franco-atiradores a serviço da reflexão, todos nós, os daí e os de cá.  Sabemos um pouco de tudo e muito do nada. E salve o bom humor diante desta anarquia, já que de algum jeito, há que se ganhar a vida.”

* Martha Medeiros

Meus queridos, às vezes a imprensa é equivocada, e quem diria, até mesmo mal informada. Mas sendo livre, tem o direito de errar. Mais errado é aquele, que quer a imprensa calar.