Devaneios tolos... a me torturar.

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Quando o amor não basta...





Até que um dia... ele disse "EU TE AMO"...
E repetiu a frase, e falou com os olhos, alma e coração.
E ela sentiu-se amada, especial, abençoada.
E ele a amava com todo desejo, como se fosse única.
Como se fosse a última.


E a cada vez que partia abria-se o vazio da ausência, a saudade do desejo.
O desejo do encontro.


Até que um dia ela disse “fica”.
E ele não se fez presença.
Se fez distância, incompreensão e dor.
Ela falava grego, ele entendia arábico.
Ela queria o profundo e ele gostava do raso.
Ela gostava de palavras, ele do silêncio.
Ela desejava raízes, ele não tinha chão.
Ela desejava amarras, ele tinha asas.
Ela entrava pela porta. Ele saia pela contramão.


E o amor não basta, quando não há sintonia.
E o amor não basta, quando há caminhos, sem direção.
E o amor não basta quando há pensamentos, sem entendimento.
Quando há paixão, mas não há companheirismo.
Quando há risos, mas não há lágrimas.
Quando há encontros, mas não há história.
Quando há união de corpos, mas não há de almas.


Quando há árvores... mas não há frutos.





Oi geeente bonita! Gente linda! Gente amada! Tudo? Como foram de carnaval? “Pularam” muito?

Jesusamado! O Carnaval é mesmo a época do ano em que as feras se libertam de dentro das pessoas normais, e saem por aí, feito criaturas sem lei, bebendo todas, sem nenhuma crise de consciência. É legal ficar observando a “alegria” alheia! É muita cerveja, muito beijo na boca, e no final, muitos porres de entrar para a história.

Não estou aqui falando que é lindo ficar bêbado no carnaval, mas se você não for dirigir, e tiver noção de seus limites, bom... aí um pilequinho é um pecado perdoável.

Um grupo dos mais animados da cidade me passou um e-mail falando das maiores dificuldades de um bêbado:

Coisas que são DIFÍCEIS de dizer quando você está bêbado:

- Indubitavelmente.

- Proliferação.

- Inconstitucional.

Coisas que são EXTREMAMENTE DIFÍCEIS de dizer quando você esta bêbado:

- Especificidade.

- Transubstanciado.

- Três tigres.

Coisas que são TOTALMENTE IMPOSSÍVEIS de dizer quando você está bêbado:

- Puta merda que gente feia...

- Chega, já bebi demais.

- Sai fora, você não é o meu tipo...

MANUAL PRÁTICO

Como agir quando bebeu demais e está com os seguintes sintomas:

SINTOMA: A parede a sua frente está cheia de luzes.

CAUSA: Você caiu de costas no chão.

SOLUÇÃO: Coloque seu corpo a 90 graus do solo.



SINTOMA: O chão está se movendo.

CAUSA: Você está sendo carregado ou arrastado.

SOLUÇÃO: Pergunte se estão te levando para outro bar.



SINTOMA: Você está olhando um espelho que se move como água.

CAUSA: Você está para vomitar em uma privada.

SOLUÇÃO: Enfie o dedo na garganta



SINTOMA: A danceteria se move muito e a música é muito repetitiva.

CAUSA: Você está em uma ambulância.

SOLUÇÃO: Não se mova. Possível coma alcoólico.



SINTOMA: A fortíssima luz da danceteria está cegando seus olhos.

CAUSA: Você está na rua e já é dia.

SOLUÇÃO: Tente encontrar o caminho de volta para casa.

Falando sério... a bebida é quase sempre a companheira das festas carnavalescas. E é a maior responsável pelo número de acidentes de trânsito com vítimas. A bebida é grande responsável pelas brigas que acontecem em festas e bares. E também pela briga de casais nesses eventos (ninguém aguenta o namorado de porre se achando o Tom Cruise e se rebolando todo torto pras foliãs ao redor... ó céus!).

Pesquisas indicam que o consumo de álcool está ligado a incêndios, afogamentos, acidentes de trânsito, acidentes de trabalho, suicídios, quedas, acidentes com barcos, jet-ski, assaltos, brigas, violência, estupro, comportamento agressivo, nervosismo, doenças do fígado (cirrose), tremor nas mãos, dormências, perda de memória, envelhecimento precoce, câncer de boca e faringe, insuficiência cardíaca, anemia, úlcera gástrica, gastrite, hemorragia digestiva, disfunção erétil (sim o pingolin não levanta mais...), entre outros. UFA!!!!

Mesmos cientes de tudo isso, nós bebemos. Os homens bebem bastante, principalmente cerveja, mas chego a querer apostar que quando se metem a beber, as mulheres bebem mais.

A mulherada entorta o caminhão, e não raro, elas saem carregadas por amigas e namorados das festas na cidade. E geralmente vomitam. Mulheres são sensíveis... rsrsrs

O que quero dizer com toda essa ladainha que já nos deixa bêbados é que, infelizmente, hoje em dia, a bebida alcoólica não é mais aquela ponte para uma diversão em um final de semana, ou aquele pilequinho que te deixa mais alegre, sem maiores riscos. Muitas pessoas vêem a bebida como única forma de se sentirem “engajados” no grupo de amigos. Ficar bêbado é a única maneira de mostrar que a festa foi boa, que a turma é divertida, que não é “careta” e que sabe fazer festa.

Quem sabe beber, não colhe maiores consequências. Mas quem não sabe... paga o pato. Passa mal, se dá mal, se envolve em acidentes, brigas, acaba dependente da bebida para se sentir inserido na sociedade e não raro, se envolve com drogas mais pesadas.

Guaporé é uma cidade que está entre as maiores consumidoras de drogas entre jovens e adultos classe média alta, em festas. A “branquinha” aparece como companheira fiel de quem “sabe se divertir”. Ora convenhamos... você percebe quando alguém da turma some da festa, e volta uns minutos depois com os olhos saltando das órbitas.

Infelizmente estamos plantando uma geração dopada e desconectada com a realidade. Colheremos pessoas doentes, dependentes e com graves problemas em família.

Sim, porque a grande diversão de hoje com a turma, precisará, quando virar problema, ser administrada por pais e amigos de verdade. Porque quando vierem os problemas ( e eles virão...) os amigos de ocasião sumirão da sua vida.

A lição que fica é simples: respeite seu corpo, procure alegria e entusiasmo dentro de você, sem precisar estar desconectado da realidade através de doses cavalares de álcool e drogas.

Isso não significa que você não possa aproveitar sua cerveja gelada, nem deixar de provar o sabor delicioso dos espumantes de nossa cidade.

Significa apenas que é necessário conhecer os limites. E respeita-los.

Tim-tim!

No mais, o carnaval de Guaporé foi divertido, animado, e infelizmente, prejudicado claro, pelas chuvas...

E você, gostou?



Escreva para esta querida colunista: michele@tl.com.br

Meu Blog: michelunardi.blogspot.com


Mural de Recados:

Gente!!!! Socorro!!!! Eu quero acreditar que faltaram banheiros químicos no carnaval de Guaporé. Eu quero crer que se houvessem mais banheiros, não haveriam tantos “bombeiros” com as mangueirinhas na mão pelas ruas da cidade!

Inaugurado o Mijódromo: o xixi rolou solto neste carnaval. Da esquina aí da Impacto, até a esquina da Guapofest, a humilde colunista contou no mínimo uns 20 mijadores nos dias de folia em que circulou. Mas que gente porquinha! E o cheiro? Ainda bem que a chuva deu jeito...

As Carnatetéias! Amei o bloco que compôs o carnaval guaporense junto com o Solque I Meio, Trufex e Sabugada. Aliás, parabéns para os organizadores! E parabéns pela festa fizeram.

Márcio Carpenedo! Nesse ano a coisa animou bem mais né! Sexta foi show. Mas ainda... muitos guaporenses vão pular carnaval em Casca... Ah... e aquela minha promessa... eu cumpro em 2012, se o mundo não acabar (e se eu não me acabar)! haha

E pra finalizar... eu não poderia terminar essa coluna de outra maneira, se não com uma marchinha carnavalesca! Todo mundo comigo: “A pipa do vovô não sobe mais...”

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Ela vibra como criança
Vestida, prá mim, está nua
Dormindo é quase uma santa
Nasceu sorrindo prá lua...

Seu andar folgado me chama
Da morte ela morre de medo
E já disse que me ama
Mas tem que ser em segredo...

Sobre nós dois
Ninguém vai saber de tudo
Parece uma partida
Contra o resto do mundo...

Eu até sonhei com isso
As coisas mais loucas
Com ela eu arrisco
Com ela eu arrisco...

Sobre nós dois
Sobre nós dois
E o resto do mundo...

*Frejat

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

O amor líquido...




Ela namora ele. Ele não namora ela.

Sempre ouvi falar que para uma relação dar certo, um deveria gostar mais que o outro. Que quando há muito amor em doses iguais... o relacionamento não tem o contra balanço ideal e... passa por constantes conflitos.
Será?
O que eu tenho visto por aí é muito amor desigual. Mas muito desigual.

Conheço um homem, que é namorado por uma mulher. Ele diz que namora ela, porque sente ser fácil dispensa-la. Como não a vê como sendo a mulher de sua vida, fica fácil um belo dia, dizer o adeus.
Por isso, nesse relacionamento moderno, o final de semana é dos amigos... As festas não deixaram de acontecer.
E não raro ele se refere a ela como uma “boa amiga” e uma “boa companhia”.

Pois eu fico pensando que este tipo de relação está na moda. E que cada vez mais as pessoas se contentam com pequenas porções de ilusão. Como diria Cazuza... “Mentiras sinceras me interessam”.

Eu gosto muito de ler, e recebi a indicação do livro “Amor Líquido” – sobre a fragilidade dos laços humanos, de Zigmunt Bauman.

 “O amor líquido é a sensação de bolsos vazios”. É aquela sensação de que duas pessoas não estão vibrando na mesma sintonia.

Isso geralmente acontece porque há uma terceira pessoa envolvida. Um dos dois vive a sensação de que não pode assumir definitivamente a pessoa, porque em seu coração ainda há uma porta entreaberta... aquele amor mal resolvido, aquela pessoa indecisa sobre assumir ou não uma relação, ou mesmo a rejeição de um amor verdadeiro. 

Ou simplesmente acontece porque as pessoas se acomodam ao lado de outras, somente para não ficar sozinhas. Sem comprometimento.

O autor mostra como o amor passa a ser vivenciado de uma maneira mais insegura, com dúvidas acrescidas à já irresistível e temerária atração de se unir ao outro.

“Nunca houve tanta liberdade na escolha de parceiros, nem tanta variedade de modelos de relacionamentos, e, no entanto, nunca os casais se sentiram tão ansiosos e prontos para rever, ou reverter o rumo da relação.O apelo por fazer escolhas que possam, num espaço muito curto de tempo, serem trocadas por outras mais atualizadas e mais promissoras, não apenas orientam as decisões de compra num mercado abundante de produtos novos, mas também parecem comandar o ritmo da busca por parceiros cada vez mais satisfatórios.
 A ordem do dia nos motiva a entrar em novos relacionamentos sem fechar as portas para outros que possam eventualmente se insinuar com contornos mais atraentes, o que explica o sucesso do que o autor chama de casais semi-separados. Ou então, mais ou menos casados, o que pode ser praticamente a mesma coisa. Não dividir o mesmo espaço, estabelecer os momentos de convívio que preservem a sensação de liberdade, evitar o tédio e os conflitos da vida em comum podem se tornar opções que se configuram como uma saída que promete uma relação com um nível de comprometimento mais fácil de ser rompido. É como procurar um abrigo sem vontade d ocupá-lo por inteiro. Num mundo instantâneo, é preciso estar sempre pronto para outra. Não há tempo para o adiamento, para postergar a satisfação do desejo, nem para o seu amadurecimento. É mais prudente uma sucessão de encontros excitantes com momentos doces e leves que não sejam contaminados pelo ardor da paixão, sempre disposta a enveredar por caminhos que aprisionam e ameaçam a prontidão de estar sempre disponível para novas aventuras."

Eu sinceramente acho que o autor tem razão. Mas condeno aqueles que se deixam usar dessa forma. Principalmente as mulheres, que são a grande maioria nesses tipos de relação.

Eu até me permito me sentir rejeitada, me permito me sentir apaixonada sem ser correspondida, me permito viver uma grande paixão que não tenha futuro, desde que vivida a dois... todos passamos por isso. Me permito não me sentir desejada, ou não me sentir amada.

Mas jamais me permitiria me sentir descartável.

Beijo pra Rafa, que me deu a dica de leitura e que divide comigo essa autoria.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010


Eu quero o mapa das nuvens... e um barco bem vagaroso.

Mário Quintana- nosso poetinha maiúsculo.

Quem ama o feio... bonito lhe parece

Oi geeeente!
Tudo bem com vocês meus lindos!
Bom, é com muito pesar que denuncio a lista dos feios. Sim, só estava faltando essa! Já saiu a dos chifres, a dos falidos, a das vagabas e agora a dos feios. Ainda bem que não saiu a lista das abomináveis colunistas de final de semana...

Ufaaaa! Ah... mas qualquer hora eu apareço incluída em uma dessas aí de cima....
E você também!

Bom, meus queridos... o que tenho a dizer sobre isso? Que o fato é no mínimo de extremo mau gosto, sem graça nenhuma, e feita por pessoas que além de covardes, já que se escondem atrás do anonimato, devem ser muito mal amadas e cheinhas de dor de cotovelo.

Não vamos dar importância a coisas sem importância.

Mas... um dos integrantes da malfadada lista da pouca beleza me procurou, e mandou um recadinho pro autor, ou para os autores deste filho sem pai e mãe...

“Nós, da equipe dos feios, usando este meio de comunicação de nossa cidade, queremos agradecer a brilhante ideia de nos dar tamanho elogio. Colocamo-nos à disposição para ofertar nosso apoio, porque com certeza essa deve ser uma atitude desesperadora, depois do autor ter brigado com o espelho. Lamentamos não sermos cirurgiões plásticos. Atenciosamente... o grupo dos feios.”

Meus queridos e amados feios de Guaporé... enquanto os sarados ficam por aí correndo, malhando, comendo salada e tomando suquinho, nós mulheres lindas e maravilhosas procuramos consolo nos feios com bom papo, que adoram um bom petisco para passar o tempo, uma cerveja bem gelada no final da tarde, um jantar maravilhoso regado a muitas calorias e o descompromisso com a estética. Os menos belos esteticamente são interessantes, pois conquistam pela essência e não pela aparência, geralmente são ótimas companhias, tem bom papo e excelente humor. E não estar por aí desfilando com um Deus Grego nos deixa muito mais tranquilas com nossa própria aparência, e mais relaxadas, já que não vai haver uma mulher em cada esquina tentando seduzir nosso gato.

Mas no caso de você, querido feio, estar se sentindo feio por causa dessa lista e estar com a auto estima lá embaixo... quero dar a solução, mais definitiva que plástica:

Enriqueça! Não existe RICO FEIO!

Sacaram? Rsrsrsrs
Gente, juro, nem li a tal lista. Não sei quem figura nela. Nem quero saber. Aliás, vamos cuidar de nossas vidas?

Beleza é, e sempre será, algo muito relativo. Está nos olhos de quem vê. E a melhor de todas as frases clichês que conheço é essa:
“O amor é cego.”


Beijos meus lindos!!! Obrigado pelo carinho de sempre... e escrevam...
Michele@tl.com.br

E a frase da semana:
Muitas mulheres suspeitam que seu marido é o melhor amante do mundo. Mas não conseguem flagrá-lo.