Devaneios tolos... a me torturar.

sábado, 30 de janeiro de 2010

Vamos nos permitir!


Gente, eu sempre que quero comer sorvete, vou a um bom e variado buffet. É preciso aprender a não ter vergonha, nem se privar de coisas maravilhosas, por causa das convenções sociais.
Sabe tudo essa Danusa Leão...

SORVETE

Não há nada que me deixe mais frustrada
do que pedir sorvete de sobremesa,
contar os minutos até ele chegar
e aí ver o garçom colocar na minha frente
uma bolinha minúscula do meu sorvete preferido.

Uma só....

Quanto mais sofisticado o restaurante,
menor a porção da sobremesa.
Aí a vontade que dá é de passar numa loja de conveniência,
comprar um litro de sorvete bem cremoso
e saborear em casa com direito a repetir quantas
vezes a gente quiser,
sem pensar em calorias, boas maneiras ou moderação.

O sorvete é só um exemplo do que tem sido nosso cotidiano.

A vida anda cheia de meias porções,
de prazeres meia-boca,
de aventuras pela metade.
A gente sai pra jantar, mas come pouco.
Vai à festa de casamento, mas resiste aos bombons.
Conquista a chamada liberdade sexual,
mas tem que fingir que é difícil
(a imensa maioria das mulheres
continua com pavor de ser rotulada de 'fácil').
Adora tomar um banho demorado,
mas se contém para não desperdiçar os recursos do planeta.

Quer beijar aquele cara 20 anos mais novo,
mas tem medo de fazer papel ridículo.

Tem vontade de ficar em casa vendo um DVD,
esparramada no sofá,
mas se obriga a ir malhar.
E por aí vai.

Tantos deveres, tanta preocupação em 'acertar',
tanto empenho em passar na vida sem pegar recuperação...

Aí a vida vai ficando sem tempero,
politicamente correta
e existencialmente sem-graça,
enquanto a gente vai ficando melancolicamente
sem tesão...


Às vezes dá vontade de fazer tudo 'errado'.
Deixar de lado a régua,
o compasso,
a bússola,
a balança
e os 10 mandamentos.

Ser ridícula, inadequada, incoerente
e não estar nem aí pro que dizem e o que pensam a nosso respeito.
Recusar prazeres incompletos e meias porções.

Até Santo Agostinho, que foi santo, uma vez se rebelou
e disse uma frase mais ou menos assim:
'Deus, dai-me continência e castidade, mas não agora'...

Nós, que não aspiramos à santidade e estamos aqui de passagem,
podemos (devemos?) desejar
várias bolas de sorvete,
bombons de muitos sabores,
vários beijos bem dados,
a água batendo sem pressa no corpo,
o coração saciado.

Um dia a gente cria juízo.
Um dia.
Não tem que ser agora.

Por isso, garçom, por favor, me traga:
cinco bolas de sorvete de chocolate,
um sofá pra eu ver 10 episódios do 'Law and Order',
uma caixa de trufas bem macias
e o Richard Gere,
nu,
embrulhado para presente.
OK?

Não necessariamente nessa ordem...

Depois a gente vê como é que faz para consertar o estrago....

* Recebi o txt com o título "Sorvete" por Danusa Leão, mas também já encontraram o mesmo txt intitulado pudim, da Martha Medeiros. As duas são ótimas. Eu deixo assim, pois prefiro sorvete a pudim! ;)

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010




Só não me deixe sentado na poltrona num dia de domingo...

Um belo dia adeus...




Desculpe querido, um belo dia, do nada, eu direi adeus.


“Abandonar o paraíso é a única forma
de não esquecê-lo.”


Se eu ficar, terei sido como esta, que aí está ao teu lado, sem que tu te dês conta de sua presença. Não quero que um dia passes e perguntes... "Ha... Ainda estás aí?".

domingo, 24 de janeiro de 2010

Férias!!!!!!!!!!!!




Oi geeeente! Dei um pulo no paraíso sem escala e voltei rapidinho. Tenho tirado férias em doses homeopáticas. Uns dias aqui... outros dias acolá... porque me enterrei de tal maneira em compromissos, que tenho a sensação de que não posso parar.




Sensação horrível essa. Se saio de férias, me sinto mal e culpada, pois deveria estar cumprindo esse ou aquele compromisso. Você também se sente assim?

Converso com muitas pessoas que abrem mão das férias porque tem muitas tarefas profissionais e não conseguem se desatar dos nós do trabalho. Isso é a pior coisa que podemos fazer conosco.

Todo ser humano merece um descanso. Dias de pernas pro ar em dolce far niente.
Por mais importante que seja alguém na empresa, no trabalho, na prestação de serviços... ninguém é insubstituível ou tão imprescindível que não possa desligar da tomada por uns dias.
Isso é fundamental para recuperar energias e recarregar baterias. Pense na sua vida, no trabalho e na batalha do dia a dia e deixe de desculpas: permita-se parar.



Permita-se viajar, acampar, dormir o dia todo, não atender o telefone, não acessar a internet, não conferir a conta bancária.
Você vai voltar energizado e tudo estará como você deixou... um pouco mais bagunçado talvez, mas nada que uma semana de trabalho não reorganize.
Mas nas férias... peguei um cineminha...

Avatar... você com certeza sabe o significado das palavras “Prepotência” e “Arrogância”. Pessoas prepotentes e arrogantes geralmente são aquelas que se acham tão perfeitas e cheias de razão, que do alto de sua sabedoria, humilham os demais, não respeitam as coisas que os cercam, não tem humildade e acabam por tornar o ambiente que habitam doente, pesado e praticamente insuportável.

Acredito que muitos de nossos governantes sejam prepotentes e arrogantes. E essa é a principal fonte de tantos desacertos e tantas injustiças, guerras, destruição e da falta de um entendimento rumo à paz, à harmonia e ao fim das desigualdades.
Em tempos de terremotos devastadores no Haiti, tsunamis, fome, guerra, deslizamentos, enchentes, e destruição aqui e acolá.... em tempos de profecias que prevêem o fim do mundo em 2012, precisamos, como raça humana, deixarmos de lado a arrogância e a prepotência, baixarmos nossa cabeça e reconhecermos que somos apenas parte de uma engrenagem, coordenada por uma força muito maior, que comanda a perfeita harmonia no planeta terra.
AVATAR é um filme que fala sobre isso. É um recado direto não só aos governantes mundiais, como a cada um de nós, que não faz sua parte para manter a vida em nosso planeta.
Avatar é uma lição de amor, vida, luta pelo local em que se vive, do qual retira-se o sustento, o alimento, o ar que se respira.
Avatar é um filme imperdível que só pode ser entendido por aqueles que forem além dos efeitos especiais, dos cenários e da magia do 3D, que permite praticamente estar dentro do filme, vivenciando as aventuras dos personagens.
Assisti no cinema e recomendo. A lição que eu tiro do filme é bem simples e se resume a uma parábola oriental que diz assim:
Um homem muito rico queria ser sábio e para isso procurou um guru indiano. Ao chegar aos pés do sábio, o poderoso empresário pediu sabedoria ao guru. O mesmo começou a servir ao seu aluno uma xícara de chá. E quando a xícara encheu e começou a transbordar, o discípulo disse ao mestre:
- Senhor, já está cheia. Pode parar.
O sábio olhou para o bem sucedido homem e disse:
- Viestes em busca de conhecimento. Mas tua cabeça está como esta xícara. Cheia. Enquanto não esvaziarmos o conteúdo, não haverá lugar para o novo.

Ou seja.... até com o ser mais simples nós, meros mortais podemos aprender. Desde que tenhamos nossa mente aberta para o aprendizado. E a grande maioria das pessoas busca conhecimento achando que já sabe tudo....
Mas gente, continuando nossa psicoterapia... Vocês já leram, ou assistiram “Foi apenas um sonho” ? Eu li, e assisti. O filme é com Leonardo Di Caprio e Kate Winslet.

Eu fico pensando se há pessoas que se contentam com uma vida estável, tranquila, e monótona. É esse o sonho de consumo da humanidade? Mulher, marido, filhos, emprego, café da manhã, almoço e jantar?
E os sonhos? E os projetos? E a vida correndo nas veias, nova a cada dia?
Quando nos acomodamos em uma situação, que parece agradável, mas que nos tortura e nos incomoda, estamos dando a mão para a tristeza nos guiar.
Viver é sonhar, é ter sede de mudança, é ter esperança. É mais florido o caminho que nos leva a realização de um projeto, do que a realização do projeto em si.
Muitas vezes as pessoas me criticam, porque quando eu não tenho nada a esperar, nada a projetar, nada para esperar, eu me desespero.

Eu fico louca. Eu acabo enlouquecendo quem está ao meu redor também.
Sei que não devemos ser ingratos com a vida que temos, com nossas conquistas. Mas sei também que jamais podemos deixar morrer os sonhos, aquela criança que um dia fomos, aquele adolescente que tinha ímpetos de conquistar o mundo. Aquele éramos nós. E quando matamos nossos sonhos, quando desistimos deles, estamos desistindo de nós mesmos.
Assista o filme. E depois comente ele comigo no Blog, OK?


sábado, 16 de janeiro de 2010

A beleza das atitudes...

Oi geeeente!!!!

Na semana passada falei sobre beleza. E quero continuar falando nisso. Na beleza das atitudes.
Eu sinto muitas vezes a presença da negatividade pairando sobre a cidade. Eu sinto a maldade nos olhares, nos comentários, na transmissão de informações repletas de calúnia, de mentira, de ingredientes cruéis sobre as pessoas.
Não escrevi na semana passada sobre o drama que se abateu sobre Guaporé, engolida pelas águas, porque envolvida pela comoção do momento, poderia escrever inverdades.
Ouvi muita gente aproveitando o momento para fazer política, muitos outros aproveitando para fazer sensacionalismo, outros tantos aumentando as histórias e uma minoria preocupada realmente em ajudar. Tinha um bando de curiosos olhando e dois ou três dentro da água retirando móveis e pessoas de dentro das casas atingidas.
Acho que nosso país, nosso estado, nossa cidade só não são melhores, porque as pessoas ainda não aprenderam que somente a união de esforços resulta em grandes transformações.


Estamos preocupados com a foto. Com a publicidade. Com a manchete. Com nossa imagem. Queremos que os outros nos idolatrem, e para sermos melhores do que somos, ao invés de evoluirmos, insistimos em diminuir o outro, para nos vermos maiores.

Falta beleza. Beleza de verdade. Beleza nas atitudes, e beleza nas intenções.


Resgatei esse texto abaixo do blog “Caderno de Casa” do Dr. Luis Fernando de Campos Velho, que fala sobre a beleza da ética. Diz o seguinte:

“A ética é bonita. Não só é bonita porque é virtuosa, como diziam os gregos, mas bonita porque tem valor estético. O mau gosto, o descartável, o violento, o explícito, o desagradável, o mesquinho é anti-ético por natureza. Existe uma relação entre ética e estética, indissolúvel. Basta ver aqueles programas de TV horrorosos para termos uma ideia de quem está por trás deles. Jornais que, espremendo, pingam sangue, nos dão pistas sobre o caráter dos editores. Filmes que chocam, causando nojo e asco, denunciam a personalidade dos roteiristas e diretores. Não há estética de baixo nível impune. O belo, ao contrário, é ético. Constrói e integra, nos tornando mais felizes. O bom gosto, a boa educação e a generosidade andam juntas. Se não são reconhecidas, retiram-se, sem perderem nada, pois não estão no seu lugar.”

Uma pessoa ética é bela.
Porque valoriza a verdade. E a verdade liberta.
Valoriza o perdão. E o perdão nos dá paz.
Valoriza o ser humano, com seus defeitos e limitações.
E quando nos reconhecemos limitados, não apontamos as limitações do outro.


Uma pessoa ética escolhe para ter ao redor de si pessoas igualmente éticas. E acaba afastando de si a falsidade, a calúnia, a fofoca e a maldade.


E longe deste universo, uma pessoa assim dá as mãos para a paz de espírito e para a compreensão.

Uma pessoa ética se respeita. Não se violenta. Não vai contra seus princípios. E consequentemente respeita ao próximo, não violenta a intimidade do outro e luta contra uma sociedade onde a discriminação persegue quem pensa diferente e não se enquadra nos padrões ditados por aqueles que impõe uma verdade falsa. Um moralismo sem ética.
Falta muita ética e consequentemente muita verdade na sociedade local. Tem muita gente perdendo tempo em cima do muro cuidando do jardim alheio e esquecendo de regar suas flores.


Muitos se sentem atingidos por este tipo de gente. Mas não importa o que as pessoas tentam fazer com você. Importa a forma como você responde às agressões. Tem um “mantra” que leio sempre, quando chego em casa triste por algumas situações pelas quais passamos. Ele diz assim:


Ouves a calúnia.
A falsidade te fere.
Mas o que importa é tua verdade.
Observas o orgulho.
A arrogância te machuca.
Mas o que importa é tua humildade.
Reparas a inveja.
O despeito te constrange.
Mas o que importa é tua paz.
O importante não é o que os outros pensam, falam ou fazem contigo.
O que realmente importa é tua atitude.


Pense nisso. Você deve observar muitas coisas erradas por aí. O que você faz diante das injustiças, das inverdades, dos julgamentos, das calúnias?
Não esqueça... “o que importa é TUA atitude”.


Mas mudando de assunto.... meus amigos, essa eu tenho que contar pra vocês, porque aconteceu com uma amiga minha... e serve de exemplo pra nós, que comumente desdenhamos da importância do “ZERO”.
Uma executiva de uma empresa de lingerie faz a sua primeira viagem de negócios para o Rio de Janeiro. À noite sentiu-se sozinha e com uma sensação de liberdade que nunca havia sentido antes... Decidiu chamar uma dessas "empresas de acompanhantes", cujos folders de propaganda estão nas mesas dos quartos de todos os hotéis nas grandes cidades. Localizou, sem dificuldade, um que oferecia serviço masculino, denominado "ferótico". Com o encarte nas mãos molhadas de suor pela expectativa discou o número marcado: - Alô! Atendeu uma voz masculina marcadamente sensual.
- Alô. Eu preciso de uma massagem... Não, espera! Na realidade o que eu quero é SEXO! Uma grande e duradoura sessão de sexo, mas tem de ser agora! Estou falando sério! Quero que dure a noite inteira! Estou disposta a fazer de tudo, participar de todas as fantasias que vocês inventarem. Traga tudo o que tiver de acessórios, algemas, chicotes, géis! Vamos começar passando geléia no corpo um do outro, quero que você me grude na parede... estou disposta a fazer de tudo e topo todas as posições: frango assado, rã com câimbra, canguru perneta, folhinha-verde, vaca atolada, saquinho de chá, helicóptero... Ou tu tens alguma ideia a mais? O que tu achas?!


- Bem, na verdade me parece fantástico. Mas aqui é da portaria do hotel... Para chamadas externas a senhora precisa discar o número zero primeiro!!!


Por isso gente amada... é melhor a gente só abrir a boca quando tem CERTEZA!

Por hoje é só!! Mas antes a famosa frase da semana:


“O mundo precisa de mais gênios humildes! Hoje em dia somos poucos...”


Gente linda e amada da minha cidade idolatrada, michele@tl.com.br é o e-mail, para você me dar uma pedrada.
Beijos!





quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Toda mulher deveria ter...

Toda mulher deveria ter...
...um velho amor que ela pudesse recordar e alguém que se lembrasse dela como uma pessoa especial.
...dinheiro próprio para poder ter um lugar só dela, mesmo se ela nunca quiser ou precisar ir até lá.
...uma roupa perfeita para usar se o chefe ou o namorado pedir que ela esteja pronta em uma hora.
...uma juventude que ela tenha deixado para trás com satisfação.
...um passado interessante que a permita revivê-lo com prazer.
...a percepção de que ela realmente terá uma velhice com algum dinheiro guardado.
... um jogo de chaves de fenda, uma furadeira sem fio e um sutiã preto de renda.

...uma amiga que sempre a faça sorrir e outra que a permita chorar.
...um lindo móvel que não tenha sido herdado de ninguém da família.
...oito pratos iguais, copos altos de vinho e uma receita que faça com que seus convidados sintam-se honrados.
...um recomeço que não seja desrespeitado.
...uma sensação de controle sobre seu destino.
...cuidado com a pele e com o corpo para contrabalançar outros poucos aspectos da vida que não melhoram após os 30.
...uma carreira sólida, um bom relacionamento e tantos outros aspectos que melhoram após os 30.

* O texto não é meu.... mas poderia ser ;)


"Não deixe portas entreabertas. Escancare-as. Ou bata-as de vez. Pelos vãos e brechas... só passam semi ventos, meias verdades e insensatez..."

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Tenho muito a quem amar... não quero a inveja por perto...


 

Eu não sou do tipo de pessoa sem ambição. Quero sim conquistar muito mais em minha vida. Mas mesmo não possuindo muitas coisas que desejo, sei muito bem que não ter tudo é o melhor ingrediente para uma vida feliz. Porque não ter tudo, me faz dar muito valor ao que tenho. Nunca odiei quem tem mais do que eu. Sempre acreditei que nosso trabalho e nosso modo de ver a vida é que nos conduzem a conquista de nossos sonhos. Nunca invejei as pessoas. 

Mas sinto na pele, muitas vezes o poder maléfico da inveja. Dizem que quem trabalha com meios de comunicação, está na vitrine. E quem está na vitrine é alvo mais fácil de pessoas invejosas e que se alimentam de calúnias, intrigas e maldades. 

Não acredito nesta teoria. 

Acho que mesmo quem se esconde em um buraco para comemorar sua felicidade, é alvo de gente infeliz e invejosa. A inveja é fruto da infelicidade. E o que a atrai feito imã é a alegria de quem sabe viver a vida em sua plenitude, bebendo em cálice delicado, cada gota da felicidade de gostar de si mesmo, de ser amado!

O que atrai a inveja é a felicidade... 

 

Lenda da Inveja

* Tere Penhabe
 
Lá no começo do mundo
a inveja não existia
a convivência dos seres
era de amor e alegria
o demônio insatisfeito
com esse trato bem feito
foi criando a ignomínia.
 
Deu à luz lá do seu modo
ao primeiro incompetente
para que fosse o pomo
da discórdia dessa gente
não precisou muito tempo
veio à tona o tormento
da inveja pertinente.
 
A inveja sempre tenta
apagar a luz alheia
é irmã do egocentrismo
parente de gente feia
que não agüenta sorrisos
acha que não é preciso
não há nada em que creiam.
 
Dizem que é alma côxa
que se arrasta pelo mundo
adquiriu esse defeito
nas guerras do submundo
lutando ao lado da ira
que é mãe da sua cartilha
o seu teor mais profundo.
 
Tem motivos de sobra
pra não suportar espelhos
porque vê os seus defeitos
eles mostram sem rodeios
o mal-humor que lhe é caro
o azedume que lhe embala
vai da cara até os joelhos.

Onde a inveja impera
a maldade anda livre
de mãos dadas com o demo
pois pra ele é bom alvitre
que ele foi seu criador
por pura falta de amor
e burrice sem limite.
 
Invejoso não se apruma
não toma jeito na vida
está sempre semeando
a tristeza que é sua lida
de nada ele é capaz
é cria de satanás
e é a cria mais querida.
 
Saibam, a inveja é peste
que não dá para encarar
eu encaro até a morte
da inveja quero afastar
gente invejosa é triste
vive com o dedo em riste
prontos para acusar.
 
Onde a inveja está
não se pode ser feliz
ela mata o bom-humor
só no fato de existir
mas quem acha que agüenta
essa alma melequenta
não passa de aprendiz.
 
Com quem a inveja professa
conviver não vale a pena
o seu coração é gruta
a sua alma é pequena
não consegue ver a luz
de uma estrela que reluz
se não for a sua mesma.
 
Mas a lenda não termina
só na sua criação
conhecê-la até o fim
não tenham essa ilusão
entretanto sei também
que ela mora num harém
e idolatra o seu patrão.
 
As ninfas do tal harém
todo mundo já conhece
a mentira e a hipocrisia
são primatas dessa messe
eunuco é o egocentrismo
formam um grande abismo
que o pior ser não merece.
 
E por fim diz a tal lenda
que o invejoso no futuro
vai perceber a esparrela
de ficar em cima do muro
vendo a alegria de um lado
do outro o amor reinado
e ele sempre inseguro.
 
Pois a inveja não consegue
esconder as evidências
de que o ser é mal amado
apesar das aparências

toda a sua luta é vã

é improfícuo o seu afã
pra quem Deus é a referência.
 
Por isso a inveja terá
o seu fim concreto e certo
antes do mundo acabar
dela ele será liberto
mas eu não vou esperar
tenho muito a quem amar
a inveja não quero perto.