Devaneios tolos... a me torturar.

sábado, 16 de janeiro de 2010

A beleza das atitudes...

Oi geeeente!!!!

Na semana passada falei sobre beleza. E quero continuar falando nisso. Na beleza das atitudes.
Eu sinto muitas vezes a presença da negatividade pairando sobre a cidade. Eu sinto a maldade nos olhares, nos comentários, na transmissão de informações repletas de calúnia, de mentira, de ingredientes cruéis sobre as pessoas.
Não escrevi na semana passada sobre o drama que se abateu sobre Guaporé, engolida pelas águas, porque envolvida pela comoção do momento, poderia escrever inverdades.
Ouvi muita gente aproveitando o momento para fazer política, muitos outros aproveitando para fazer sensacionalismo, outros tantos aumentando as histórias e uma minoria preocupada realmente em ajudar. Tinha um bando de curiosos olhando e dois ou três dentro da água retirando móveis e pessoas de dentro das casas atingidas.
Acho que nosso país, nosso estado, nossa cidade só não são melhores, porque as pessoas ainda não aprenderam que somente a união de esforços resulta em grandes transformações.


Estamos preocupados com a foto. Com a publicidade. Com a manchete. Com nossa imagem. Queremos que os outros nos idolatrem, e para sermos melhores do que somos, ao invés de evoluirmos, insistimos em diminuir o outro, para nos vermos maiores.

Falta beleza. Beleza de verdade. Beleza nas atitudes, e beleza nas intenções.


Resgatei esse texto abaixo do blog “Caderno de Casa” do Dr. Luis Fernando de Campos Velho, que fala sobre a beleza da ética. Diz o seguinte:

“A ética é bonita. Não só é bonita porque é virtuosa, como diziam os gregos, mas bonita porque tem valor estético. O mau gosto, o descartável, o violento, o explícito, o desagradável, o mesquinho é anti-ético por natureza. Existe uma relação entre ética e estética, indissolúvel. Basta ver aqueles programas de TV horrorosos para termos uma ideia de quem está por trás deles. Jornais que, espremendo, pingam sangue, nos dão pistas sobre o caráter dos editores. Filmes que chocam, causando nojo e asco, denunciam a personalidade dos roteiristas e diretores. Não há estética de baixo nível impune. O belo, ao contrário, é ético. Constrói e integra, nos tornando mais felizes. O bom gosto, a boa educação e a generosidade andam juntas. Se não são reconhecidas, retiram-se, sem perderem nada, pois não estão no seu lugar.”

Uma pessoa ética é bela.
Porque valoriza a verdade. E a verdade liberta.
Valoriza o perdão. E o perdão nos dá paz.
Valoriza o ser humano, com seus defeitos e limitações.
E quando nos reconhecemos limitados, não apontamos as limitações do outro.


Uma pessoa ética escolhe para ter ao redor de si pessoas igualmente éticas. E acaba afastando de si a falsidade, a calúnia, a fofoca e a maldade.


E longe deste universo, uma pessoa assim dá as mãos para a paz de espírito e para a compreensão.

Uma pessoa ética se respeita. Não se violenta. Não vai contra seus princípios. E consequentemente respeita ao próximo, não violenta a intimidade do outro e luta contra uma sociedade onde a discriminação persegue quem pensa diferente e não se enquadra nos padrões ditados por aqueles que impõe uma verdade falsa. Um moralismo sem ética.
Falta muita ética e consequentemente muita verdade na sociedade local. Tem muita gente perdendo tempo em cima do muro cuidando do jardim alheio e esquecendo de regar suas flores.


Muitos se sentem atingidos por este tipo de gente. Mas não importa o que as pessoas tentam fazer com você. Importa a forma como você responde às agressões. Tem um “mantra” que leio sempre, quando chego em casa triste por algumas situações pelas quais passamos. Ele diz assim:


Ouves a calúnia.
A falsidade te fere.
Mas o que importa é tua verdade.
Observas o orgulho.
A arrogância te machuca.
Mas o que importa é tua humildade.
Reparas a inveja.
O despeito te constrange.
Mas o que importa é tua paz.
O importante não é o que os outros pensam, falam ou fazem contigo.
O que realmente importa é tua atitude.


Pense nisso. Você deve observar muitas coisas erradas por aí. O que você faz diante das injustiças, das inverdades, dos julgamentos, das calúnias?
Não esqueça... “o que importa é TUA atitude”.


Mas mudando de assunto.... meus amigos, essa eu tenho que contar pra vocês, porque aconteceu com uma amiga minha... e serve de exemplo pra nós, que comumente desdenhamos da importância do “ZERO”.
Uma executiva de uma empresa de lingerie faz a sua primeira viagem de negócios para o Rio de Janeiro. À noite sentiu-se sozinha e com uma sensação de liberdade que nunca havia sentido antes... Decidiu chamar uma dessas "empresas de acompanhantes", cujos folders de propaganda estão nas mesas dos quartos de todos os hotéis nas grandes cidades. Localizou, sem dificuldade, um que oferecia serviço masculino, denominado "ferótico". Com o encarte nas mãos molhadas de suor pela expectativa discou o número marcado: - Alô! Atendeu uma voz masculina marcadamente sensual.
- Alô. Eu preciso de uma massagem... Não, espera! Na realidade o que eu quero é SEXO! Uma grande e duradoura sessão de sexo, mas tem de ser agora! Estou falando sério! Quero que dure a noite inteira! Estou disposta a fazer de tudo, participar de todas as fantasias que vocês inventarem. Traga tudo o que tiver de acessórios, algemas, chicotes, géis! Vamos começar passando geléia no corpo um do outro, quero que você me grude na parede... estou disposta a fazer de tudo e topo todas as posições: frango assado, rã com câimbra, canguru perneta, folhinha-verde, vaca atolada, saquinho de chá, helicóptero... Ou tu tens alguma ideia a mais? O que tu achas?!


- Bem, na verdade me parece fantástico. Mas aqui é da portaria do hotel... Para chamadas externas a senhora precisa discar o número zero primeiro!!!


Por isso gente amada... é melhor a gente só abrir a boca quando tem CERTEZA!

Por hoje é só!! Mas antes a famosa frase da semana:


“O mundo precisa de mais gênios humildes! Hoje em dia somos poucos...”


Gente linda e amada da minha cidade idolatrada, michele@tl.com.br é o e-mail, para você me dar uma pedrada.
Beijos!





Um comentário:

  1. A inveja não atinge aqueles com a consciência tranquila. Seguir os sonhos, realizar desejos, ser feliz. Isso incomoda as pessoas.

    ResponderExcluir