Devaneios tolos... a me torturar.

sábado, 26 de abril de 2014

Qual seu pior ângulo?

Oi geeente!


Outro dia fiquei reparando em um grupo de jovens mulheres, que na mesa ao lado, de posse de seus smartphones, verificavam a atualização de suas redes sociais. Não sou curiosa (mentira!!!), mas não tinha como não ouvir o que elas falavam.

Uma delas ampliou na tela uma foto de uma mulher muito bonita aqui da cidade (pelo menos eu acho!), em um ângulo que não a favorecia.

Parecendo comemorar uma final de Copa do Mundo, as amigas afirmavam:

- Eu sempre achei ela feia!

- Olha, nem as plásticas salvam!

- Só é bonita com photoshop!

- Está velha, já era!

E por aí foi...

A pobre criatura, alvo dos comentários, deveria estar com os ouvidos chiando e com as orelhas vermelhas, diante de uma verdadeira “malhação de Judas”, que se dava entre as minhas vizinhas de mesa.

Fiquei pensando em quantas vezes todos nós, em casa, somos vítimas dos comentários nas mesas de restaurantes, bares, nos passeios entre amigos. E em quantas já foram as vítimas de nossas próprias línguas.

Fofocar, comparar, comentar é natural do ser humano, e em maior ou menor grau, todos nós falamos dos outros. Às vezes nem nos damos conta.

Mas não foi isso que me fez refletir. O que me despertou interesse foi a satisfação das moças em exaltar os defeitos da outra, sem reconhecer sequer uma qualidade.

Todos temos nosso melhor e nosso pior ângulo. E não falo apenas das fotos.

Assim como nas imagens que podemos ver nas redes sociais, em que estamos maravilhosos, também temos comportamentos que demonstram o nosso melhor. E vice-versa.

Sinceramente, observando os comentários, não achei a mulher da foto mais bela, ou mais feia, por causa de um ângulo infeliz. Mas achei as “juradas” do concurso de beleza, que apontavam SÓ os defeitos da outra, mulheres extremamente amargas, e com o ‘recalcômetro’ batendo no vermelho.

Há pessoas (aliás, há muitas pessoas) que só conseguem ver o que há de feio, de errado, de defeituoso nos outros. Têm extrema dificuldade em enxergar o lado belo, positivo, e de suas bocas, quase nunca (ou nunca) saem elogios a terceiros.

É o tipo de gente que tem uma solução mágica para todos os problemas da humanidade, menos para os seus.

É aquela pessoa, que para parecer sábia, chama o colega de burro. Para parecer forte, desdenha do medo do amigo. Para parecer bela, ri da feiura da rival.

Como resumo dessa ópera: pedi meu suco, e senti pena de ver mulheres jovens e belas, com atitudes tão mesquinhas.

No final das contas, as feias eram elas. E não há photoshop para a feiura da alma.

Beijo, meus amores!



PS: Procure ver o lado belo de todas as coisas. Essa é a melhor receita de beleza pessoal que há!

É difícil... reconhecer beleza (ou qualidades) na concorrência! Guaporé é uma cidade com mulheres muito bonitas, estilosas, competentes, empreendedoras e acima de tudo competitivas. Mas as mulheres que se garantem, sabem reconhecer também as qualidades das rivais! Isso se chama segurança, autoestima e inteligência.

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Você causa inveja, ou pena?


Oi geeente!

“Beijinho no ombro pro recalque passar longe. Beijinho no ombro para as invejosas de plantão”.

Eis que mais uma mulher-bunda, dessa vez a Valeska Popozuda, ganha fama internacional, com essa rebuscada letra, que caiu no gosto popular.

Outro dia, fazendo minha filha dormir, me peguei cantando com voz infantil esse tema tão curioso: a inveja dos outros sobre nossa pessoa.

Será que somos tão maravilhosas? Será que somos tão lindas, tão descoladas, tão bem vestidas, tão desejadas, tão, tão, tão, para despertarmos TANTA inveja assim?

Ah vá, com algumas raras exceções, as pessoas sequer lembram de nossa existência. Não nos perseguem, não nos copiam, não nos invejam tanto quanto imaginamos. Nossas ‘inimigas’ sequer existem além da nossa imaginação.

O que mais vemos são menininhas com muita maquiagem, pouca roupa, e pouca intelectualidade, beijando no ombro como se a Valeska Popozuda representasse uma grande maioria perseguida por outras mulheres recalcadas e invejosas.

Essas criaturas que entram em uma festa e acham que estão causando com seus saltos de 20 centímetros, com seus tops usados como vestidos e com suas danças vulgares que parecem um ataque epilético, realmente causam. Causam vergonha.

Não somos o centro do mundo. Enquanto estamos perdendo nosso tempo postando ‘indiretas’ no face, as pessoas realmente felizes, e com a cabeça ocupada com algo útil para fazer, estão tocando suas vidas, sem interesse algum pela vida dos outros.

Precisamos parar de achar que com nossa ‘beleza’, ‘estilo’ e ‘talento’, somos o sol, e que os outros apenas orbitam ao nosso redor, sem ter nossa luz!

Tudo certo, se a autoestima dessas meninas se elevar, e isso as estimular a fazer algo a mais na vida, além de se preocuparem com as invejosas de plantão.

Mas de maneira geral, isso não acontece.

O que mais vemos por aí são mulheres já criadas, maduras e infelizes que culpam sempre terceiros por seus fracassos.

Falam mal de mim por inveja’.

Não tenho amigas porque as mulheres são recalcadas e não suportam meu brilho’.

Odeio essa cidade, todos cuidam da minha vida’.

Ela não sossegou até conseguir roubar meu namorado. Na verdade, ela quer ter o que eu tenho’.

Queridos e queridas, é claro que isso existe de verdade. Mas em menor proporção do que imaginamos.

Pessoas que se sentem perseguidas, invejadas, caluniadas, copiadas, 24 horas por dia, ou são a Angelina Jolie e são casadas com o Brad Pitt, ou não conseguem perceber que o mundo é bem maior que seus umbigos.

Se as pessoas falam muito, é porque algum motivo nós damos para isso. Se as pessoas se afastam totalmente, é porque nossa companhia se tornou um fardo pesado demais. Se não nos sentimos bem em nenhum lugar, é porque não estamos bem dentro de nós mesmos.

Não adianta chamar o Bonde das Poderosas. Não adianta colocar a culpa no outro.

Precisamos perceber que não somos o gás da Coca Cola. Isso nos faz crescer e nos poupa de situações ridículas.

Precisamos de humildade para reconhecer os casos onde a inveja só existe dentro da nossa cabeça.

Para todos os outros casos, aí sim:

Beijinho no ombro!

 

quarta-feira, 9 de abril de 2014

O Deus que há em você




Oi geeeente!

Uma conhecida minha disse que não acredita em Deus.
Não acredita em Deus, mas recolhe animais das ruas. Dá carinho, atenção, amor, comida, abrigo.
Não acredita em Deus, mas pratica o bem.
Eu disse a ela, que ela até pode discordar da ideia cristã de Deus no céu, mas não pode negar o Deus que existe dentro dela.
Deus é energia. Energia boa que move o mundo. Que nos salva do caos completo.
Como não crer no sagrado, ao olhar nossos filhos nos olhos?
Como discordar quando observamos a perfeição de um pôr do sol, de um arco-íris, de uma estrela cadente?
Como não ver Deus no amor que une os casais?
Como duvidar, diante das maravilhas do Universo?
Eu respeito todos os deuses. Quem crê no sol, na mãe natureza, em Alá, Jeová, Oxalá. Mas não respeito o fanatismo.
Os fanáticos matam em nome de Deus, e também em Seu nome, promovem guerras.
Também não simpatizo com aqueles que negam tudo de forma irredutível, e que, são fanáticos ao contrário.
Geram discórdia por não respeitarem o direito de crença de cada um.
Aliás, Deus é respeito. Deus é compaixão. Deus é solidariedade.
Deus é a energia gerada por todas as pessoas que promovem bondade. Deus é liberdade, livre arbítrio, estar entre as trevas, e escolher a luz.
Somos, cada um de nós, deuses. Geramos a vida em nosso ventre, e temos o poder de tornar o mundo melhor.
Deus está na fé daquele que crê sem ver. Naquele cuja confiança no impossível, torna o sonho possível.
Deus está no mistério daquilo que não vemos, mas sentimos.
Naquilo que não podemos provar,mas que nosso coração jura que existe.
Deus pode não ser o estereotipo explicado pelas religiões, mas que há algo de divino no mundo, isso ninguém pode negar.
Deus está na esperança que nos faz seguir em frente diante de tantos obstáculos da vida.
Deus está na lágrima de adeus e no desejo íntimo do reencontro, mesmo que seja em outra vida.
Deus está na fé, que torna o pequeno gigante. Deus está nos olhos de quem vê em cada amanhecer, um novo milagre.
Deus está em toda a beleza. Na superação. No perdão. Na redenção.
No abraço. No beijo. Na amizade.
Essa força invisível, que podemos denominar Deus, se mostra em tudo que há de divino no mundo.
Portanto, você pode não acreditar em Deus.
Mas jamais duvide d’Ele.
Beijo, meus amores.