Devaneios tolos... a me torturar.

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Você causa inveja, ou pena?


Oi geeente!

“Beijinho no ombro pro recalque passar longe. Beijinho no ombro para as invejosas de plantão”.

Eis que mais uma mulher-bunda, dessa vez a Valeska Popozuda, ganha fama internacional, com essa rebuscada letra, que caiu no gosto popular.

Outro dia, fazendo minha filha dormir, me peguei cantando com voz infantil esse tema tão curioso: a inveja dos outros sobre nossa pessoa.

Será que somos tão maravilhosas? Será que somos tão lindas, tão descoladas, tão bem vestidas, tão desejadas, tão, tão, tão, para despertarmos TANTA inveja assim?

Ah vá, com algumas raras exceções, as pessoas sequer lembram de nossa existência. Não nos perseguem, não nos copiam, não nos invejam tanto quanto imaginamos. Nossas ‘inimigas’ sequer existem além da nossa imaginação.

O que mais vemos são menininhas com muita maquiagem, pouca roupa, e pouca intelectualidade, beijando no ombro como se a Valeska Popozuda representasse uma grande maioria perseguida por outras mulheres recalcadas e invejosas.

Essas criaturas que entram em uma festa e acham que estão causando com seus saltos de 20 centímetros, com seus tops usados como vestidos e com suas danças vulgares que parecem um ataque epilético, realmente causam. Causam vergonha.

Não somos o centro do mundo. Enquanto estamos perdendo nosso tempo postando ‘indiretas’ no face, as pessoas realmente felizes, e com a cabeça ocupada com algo útil para fazer, estão tocando suas vidas, sem interesse algum pela vida dos outros.

Precisamos parar de achar que com nossa ‘beleza’, ‘estilo’ e ‘talento’, somos o sol, e que os outros apenas orbitam ao nosso redor, sem ter nossa luz!

Tudo certo, se a autoestima dessas meninas se elevar, e isso as estimular a fazer algo a mais na vida, além de se preocuparem com as invejosas de plantão.

Mas de maneira geral, isso não acontece.

O que mais vemos por aí são mulheres já criadas, maduras e infelizes que culpam sempre terceiros por seus fracassos.

Falam mal de mim por inveja’.

Não tenho amigas porque as mulheres são recalcadas e não suportam meu brilho’.

Odeio essa cidade, todos cuidam da minha vida’.

Ela não sossegou até conseguir roubar meu namorado. Na verdade, ela quer ter o que eu tenho’.

Queridos e queridas, é claro que isso existe de verdade. Mas em menor proporção do que imaginamos.

Pessoas que se sentem perseguidas, invejadas, caluniadas, copiadas, 24 horas por dia, ou são a Angelina Jolie e são casadas com o Brad Pitt, ou não conseguem perceber que o mundo é bem maior que seus umbigos.

Se as pessoas falam muito, é porque algum motivo nós damos para isso. Se as pessoas se afastam totalmente, é porque nossa companhia se tornou um fardo pesado demais. Se não nos sentimos bem em nenhum lugar, é porque não estamos bem dentro de nós mesmos.

Não adianta chamar o Bonde das Poderosas. Não adianta colocar a culpa no outro.

Precisamos perceber que não somos o gás da Coca Cola. Isso nos faz crescer e nos poupa de situações ridículas.

Precisamos de humildade para reconhecer os casos onde a inveja só existe dentro da nossa cabeça.

Para todos os outros casos, aí sim:

Beijinho no ombro!

 

2 comentários:

  1. Olá! Primeiro parabenizá-la pelo Blog. Muito bom mesmo. Muita coisa bacana aqui. Mas a inveja...hummm. é uma maldade só. Sim, existe aos borbotões.

    ResponderExcluir