Devaneios tolos... a me torturar.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

O avesso do bordado




Oi geeeente!

Estava contabilizando os amigos e contatos que tenho no Facebook, e lá vamos para quase três mil. Todos os dias novas pessoas nos adicionam.

Na vida real, dependendo das atividades que desenvolvemos, também somos apresentados a dezenas de novas pessoas de tempos em tempos.

A primeira vista, se o contato for amistoso, vemos o outro com bons olhos, analisamos-lhes a beleza, o sorriso, o jeito de falar, a maneira de pensar, de se vestir, de se portar.

É como quando somos presenteados com um lindo bordado. Os pontos, um ao lado do outro, formando belíssimas figuras perfeitas e coloridas. Analisamos somente o que está em nossa frente.

É a convivência que mostra realmente quem é quem. É o tempo que nos mostra o avesso do bordado.

O avesso jamais será tão belo. Se o bordado for de um profissional, terá pontos harmônicos e organizados. Porém, se for de um principiante, unirá um ponto aqui, outro acolá, com nós, emaranhados, fios soltos. O lado "de dentro", compromete o bordado inteiro.

Por isso acredito em amor a primeira vista, mas em relação após o primeiro ano.

Contatos na primeira semana, amizade após a primeira dificuldade.

Beleza ao primeiro olhar. Que pode se transformar em feiúra na primeira troca de palavras.

O avesso de muitas pessoas, apesar da beleza exterior, está desfigurado e mal cuidado.

Enquanto a sociedade valoriza a aparência, você realmente só conseguirá se relacionar de verdade com alguém, se reconhecer, que todos nós temos nosso lado avesso.
O amante apaixonado sofre por só conseguir ver perfeição no objeto de paixão. Perdoa todas as falhas, desvios de caráter e o sofrimento que o outro lhe impõe. Só consegue ver o seu avesso, não o do outro.

O cético e desiludido, por sua vez, só consegue ver o lado avesso de tudo. Ninguém presta, não é possível haver amor verdadeiro, amizade sem interesse.

O coerente sabe que é preciso haver uma balança entre o lado belo e o lado monstro. Que todos em algum momento, por algum motivo, irão nos decepcionar. Mas entre pesos e medidas, algumas falhas são dignas de perdão, porque afinal, também temos nosso avesso. E invariavelmente vamos errar.

Há casos ainda em que o avesso é tão mal feito, que o fio solto, com o passar do tempo, desfaz completamente a bela figura que outrora nos havia impressionado.

Desfaz-se o encanto. A magia. Desfaz-se a credibilidade. Desfaz-se a confiança. O amor se desfaz. A admiração também. A vontade de estar junto, de conviver.

Por isso muitas belas figuras andam sós pela vida. Sem ninguém que lhes suporte, a não ser por obrigação, ou por interesse.

Enquanto outros, nem tão belos, nem tão exuberantes, e nada perfeitos, são verdadeiramente amados, arrastam atrás de si muitas pessoas que os admiram, servem de exemplo a serem seguidos.

Bordados são nossas atitudes. O modo como agimos com os outros. A intenção por trás de nossas ações, e a verdade de quem somos são os fatores que vão determinando como será o nosso avesso.

Uma pessoa verdadeiramente bela torna praticamente insignificante seu avesso. E uma pessoa de alma pesada, torna imperceptível sua beleza.

Trabalhe seu bordado. A gente borda um pouco por dia. Durante toda a nossa vida. Capriche nos pontos que bordará hoje!
O amor construído sobre a beleza morre com a beleza.

Beijos meus amores!

3 comentários:

  1. Querida Amiga Michi

    É com certeza existem muitas pessoas que devem trabalhar constantemente seu bordado. Eu sou uma pessoa muito simples e humilde, mas não uso máscaras, sou o que sou, na tua frente e atrás de ti, tenho caráter e dignidade para admitir os erros. Não vivo de aparências e detesto que o faz, acho que isso não nos leva a lugar algum, a não ser cair de um "penhasco". Quer aparecer sobe na torre da igreja com um nariz de palhaço.
    Concordo com vc que para se conhecer de verdade as pessoas é preciso conviver, aprecio boas e verdadeiras amizades , como no nosso caso, pois mesmo virtual, vc é grande amiga e uma pessoa admiravel em todos os sentidos.
    Afirmo que jamais devemos julgar alguém pela aparência e a primeira vista, nem sempre a primeira impreção é a que fica.
    Um exemplo, em 2001 qdo acabei o ensino médio comecei a batalhar por um emprego, mesmo sem experiencia, acreditei na Esperança, e fui para uma entrevista, numa respeitada joalheria aqui de uma cidade vizinha. estava bem apresentável, qdo me chamaram para a seleção, o próprio dono, me disse, "vc não tem capacidade de vestir a camisa da minha loja", isso acabou comigo foi como terem enfiado um punhal nas minhas costas.
    Eu tenho uma pequena deficiência física, um encurtamento no tendão de aquiles do pé esquerdo, e isso faz com que eu ande mancado um pouco, mas não me impede de levar uma vida normal, e certamente aquele senhor, teve aquela atitude ao observar o meu jeito de andar.
    E eu valorizo muito muito as chegadas e as permanências, são pessoas que marcaram pra sempre a minha vida.
    BJS! :D

    ResponderExcluir
  2. Beta... esse pobre homem que te avaliou daquele jeito usa muletas. Só que tu não deve ter visto. Ele não consegue sequer caminhar sem elas. São as muletas do preconceito, de julgar sem conhecer, de se achar acima do bem e do mal, e melhor que os outros. Tenho pena dessas pessoas. Elas estão em todos os lugares e nos julgam por tudo: por sermos feios demais, bonitos demais, arrumados demais, desarrumados demais, enfim... o problema está nelas , não na gente.

    ResponderExcluir
  3. Verdade querida! mas eu fiquei muito magoada!!!

    ResponderExcluir