Devaneios tolos... a me torturar.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Adeus Príncipe Encantado...

Oi geeeente!!!


Já que estamos no final de semana do Dia dos Namorados, bem que a gente poderia criar juízo e largar daquele amante que nos acompanha desde a infância... o Homem Invisível.

Quem não assisitiu “A Mulher Invisível”, o filme, pode acompanhar agora o seriado na Globo. Mas nem é preciso ver o Selton Mello e a Luana Piovani para ter certeza de que você também tem uma concorrência bem desleal: o par ideal.

Sinceramente não são os homens e mulheres reais que acabam com nossos relacionamentos. Não é aquele “galã” que vive lhe prometendo o mundo. Nem aquela “galinha” que vive dando em cima do seu namorado.

A possibilidade de traição está presente, sempre, dormindo ao nosso lado, em forma de Homem Invisível. Essa maldição, que afeta muito mais as mulheres do que os homens, provavelmente iniciou lá na infância, quando nos incentivaram a ler contos de fadas, com bruxas, príncipes e princesas. E com o Homem Invisível invariavelmente fazendo o papel de Don Juan. Sim, é aquele que salva a donzela, dá um beijo em sua boca e a faz feliz para todo o sempre ao final do livro.

E aí... quando você começa a procurar seu par, você tem em mente o homem ideal, e encontra o homem real. Sim, o bonitão tem bafo, chulé, mau humor, espinha, conta bancária no vermelho e nenhum castelo encantado.

O mesmo acontece com os homens, se bem que acredito que sejam mais realistas. Mas eles também sonham com a Luana Piovani e acordam ao lado da Bruxa Malvada do Norte. Aquela mulher doce, carinhosa e linda, lavou o rosto, está com a chapinha vencida, entrou na TPM e esqueceu de depilar o sovaco.

Affe. Contos de fadas deveriam ser abolidos da literatura.

Assim teríamos expectativas mais reais em torno do par ideal. Seríamos menos exigentes, mais compreensivos e muito mais felizes. Porque quando não esperamos muito, somos surpreendidos positivamente a qualquer momento, por alguma atitude simples, mas encantadora, de quem está ao nosso lado.

Boa parte das pessoas normais supera os contos de fadas e consegue desfrutar de relações reais e duradouras, sabendo administrar qualidades e defeitos, construindo dia após dia, um verdadeiro amor.

Mas outra parte desenvolve o complexo de Cinderela. Se transforma mesmo no vilão da história. Dormindo com o Homem Invisível, a mulher se torna um tormento na vida do homem real. Exigindo mais e mais atenção, mais e mais dinheiro, conforto, bens materiais. Fazendo cobranças irreais. Atormentando o coitado no trabalho. Exigindo que não tenha atividades de lazer. Acabando com as amizades. Queixando-se o tempo inteiro.

Quem assiste a novela Insensato Coração,  vê esse tipo de atitude na personagem de Débora Évelyn, a Eunice. Casada com Júlio, mãe de Leila e Cecília, ela é a legítima mulher insuportável. Dominadora, insatisfeita e manipuladora.

Você acha que não existem pessoas assim? Ora, claro que existem. Em pequenas doses, todos nós somos um pouco “Eunices”.

Portanto, meninas... Precisamos nos livrar desse Homem Invisível. Ele só existe em nossa imaginação, mas atrapalha, e muito, a vida real.

Ah... e os homens também, que façam-nos o favor de se livrar desse estereotipo de mulher certinha, boazinha, perfeitinha, que cozinha, passa, se sustenta, cuida sozinha das crianças, vai à missa e está sempre prontinha para uma longa noite de amor.

Todas nós, mortais, temos mesmo dor de cabeça, preguiça, falta de aptidão para algumas tarefas domésticas. Todas... menos a Luana Piovani.

Mas... aí para conquista-la... você teria que ser, no mínimo, no mínimo, muito mais bonito que o Selton Mello!!!

Beijos meus amores, e muito love no dia 12 de junho!

5 comentários:

  1. Muito bom o texto, Miche! Ninguém nunca é perfeito, não somos perfeitos pra nós mesmos, como poderiamos ser perfeitos para outra pessoa? hehe, o mais importante numa relação é saber respeitar, conviver e viver a relação de verdade, aí sim o amor é verdadeiro e concreto!
    Estamos te seguindo, teus posts são sempre o máximo!

    ResponderExcluir
  2. Miche...adorei teu texto, quem sabe assim conseguimos quebrar a imagem de "casal perfeito".
    Sobre a Luana Piovani, não sei se ela é "tão tão" assim, afinal ninguém fica mais de 30 dias ao lado dela...rsrsrs...

    Beijos amiga e ótimo dia dos namorados pra ti e pro Jr!

    ResponderExcluir
  3. "Quanto mais diferente de mim alguém é, mais real me parece, porque menos depende da minha subjetividade."

    Amei o texto!!!!

    amor companheirismo, cumplicidade afetividade, sinceridade, sao características de um bom relacionamento. Muitas vezes a beleza não deve ser posta à mesa ou mesmo quem vê cara não vê coração.

    ResponderExcluir
  4. E o que falar de alguém que há anos se faz de cego para o desrespeito, para a falta de comprometimento de seu parceiro, que nao assume a relaçao e a pessoa se faz de cega e finge q está com o homem perfeiro?

    ResponderExcluir
  5. Afe Cristo, quer um conselho? Bico na bunda e um Cruzeiro pelas Ilhas Gregas, com um Deus Grego. rsrs
    É difícil opinar sobre o problema dos outros, quando nos esforçamos para resolver nossos próprios, muitas vezes sem sucesso.
    Mas parto do princípio que quem se ama e se respeita não deixa ninguém agir desta forma por muito tempo.
    ;)

    ResponderExcluir