Devaneios tolos... a me torturar.

domingo, 27 de janeiro de 2013

O melhor (e o pior) de mim



Oi geeente!


Mal cruzo a porta de casa e já vou logo me desmontando, literalmente. Tiro a roupa, a sandália, as bijus, a maquiagem. Faço um rabo de cavalo, tiro as lentes, me meto em meus óculos de grau, e em dois minutos estou a bordo do meu chinelo, vestindo meu pijama de verão. Não consigo ficar ‘arrumadinha’ dentro do meu sweet home. Impraticável.
Fico tão largada, que, não raro, evito abrir a porta para visitas que não “marcaram hora com a Michele”. Sim, porque definitivamente, eu mesma, não sou a mesma que vocês enxergam na rua, por aí. Não duvido que vocês batam à minha porta, eu atenda, e vocês perguntem: - A Michele está?
Eu tenho um vício, uma necessidade de sair sempre arrumada. Penso na roupa, não dispenso maquiagem, e perco bons minutos arrumando os cabelos. Se sair sem óculos de sol me sinto pelada, e não passo pela porta sem meus penduricos em forma de anéis, pulseiras e acessórios.
Não que eu seja fresca (tá, eu sou fresca- mas pelo menos não mato e não roubo!), mas odeio que me vejam no meu estado, digamos assim, primitivo.
Não sou do tipo abençoada por Deus e bonita por natureza. Sem meu corretivo de olheiras, viro a prima-irmã do panda e sem uma boa chapinha, sou praticamente gêmea do leão da montanha. Gosto de produção.
Sou do tipo que 99% da beleza sai com água e sabão, e me peçam pra tirar a roupa, mas não pra tirar a maquiagem em público. Faço 97 mil fotos e só me gosto em uma. Que sempre escolho para o facebook. Detesto alguns ângulos e não fico nada bem em flagrantes desprevenidos (tipo falando). Geralmente saio mais torta que o Corcunda de Notre Dame. Vocês podem achar que é exagero, mas não é. Morro de inveja de quem fica linda de cara lavada. Mas isso não me pertence.
Onde eu quero chegar com esse tro-lo-ló todo, é que só me sinto completamente à vontade, com quem tenho (muita!) intimidade.
Boa parte de nós precisa da aprovação dos outros, pela aparência. É como quando você começa um relacionamento e morre de vergonha de comer na frente do outro, de aparecer de calça larga de moletom, ou toda suada na saída da academia, tirar o tênis com chulé, tomar banho de piscina, secar ao sol e virar o Valderrama, e por aí vai.
É fácil amar você na festa, toda produzida e engraçada, esforçando-se para parecer culta, descolada e divertida. Difícil é aturar seu mau-humor matinal e seu péssimo hálito depois de uma pizza de alho e óleo.
É fácil falar sobre como você é culta, viajada e fashion. Difícil é aguentar o azedume quando chega a conta do cartão de crédito e você precisa se virar nos 30 para conseguir dar a volta no mês. Contar moedas é uma coisa deprimente.
É fácil te achar linda quando está com sua base acetinada, sua sombra metalizada, seu rímel que triplica o volume dos cílios e seu batom vermelho. Difícil é encarar sua cara de ressaca depois de uma noitada, a maldita espinha que (mesmo tendo tanta pele em seu corpo) nasce bem na ponta do nariz, e as celulites que lembram toda a hora que Coca-Cola é bom, mas engorda.
Uns são mais preocupados com a aparência, outros (louvados sejam!), são menos. Mas todos nós, com mais ou menos intensidade, queremos mostrar para a sociedade o nosso melhor ângulo.
Não é com qualquer pessoa que você divide sua intimidade, suas neurozes, seus complexos, seus traumas, suas dívidas, seus fracassos, sua unha encravada, o joanetes do seu pé esquerdo, o furúnculo, as olheiras, a TPM, a cara limpa, a alma lavada.
Ser você mesmo, sem máscaras, diante de alguém, exige muita empatia, muita amizade, e muito amor.
Porque amor de verdade, sobrevive a essas pequenas tragédias diárias.
Porque amor de verdade é aquele que ama quem você é, e não como você está!
É por isso que, amor incondicional, verdadeiro, vai além da aparência, dos quilos a mais ou a menos. Vai além das marcas de expressão deixadas pelo tempo. Acha na verdade um charme os fios brancos que aparecem em seu cabelo, e salva você de sorrir na frente dos outros, com alface no dente.
Amor de verdade, gosta de te ver linda, mas te enxerga linda, sempre, de qualquer jeito!
Amor de verdade é aquele que te olha, e vai além de seus lindos olhos maquiados, mergulha bem dentro dos seus sentimentos, e consegue ver o quão única no mundo você é, com ou sem seu indefectível batom vermelho!
Um viva a todos que acham que o nosso melhor lado, é o de dentro!





Nenhum comentário:

Postar um comentário