Devaneios tolos... a me torturar.

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Gambiarras do coração

Oi geeente!

Outro dia, na esquina da praça, fui atravessar a Avenida Silvio Sanson, na altura da sinaleira. Dei um passo forte, esticando a perna, porque havia um degrau, entre a calçada e a rua. O meio fio.

Havia.

Sabe quando você pisa com tudo e o degrau não está lá? Meio que perdi o equilíbrio, fiquei sem graça pela minha deselegância, quase caio do salto. Olhei ao redor e segui em frente. Como se nada fosse.

Não sei não... nas próximas vezes que recapearem a Sílvio Sanson, ela poderá virar uma passarela. Você vai precisar olhar pra cima, para ver os carros.

É estranho como nos acomodamos com as coisas que precisam ser mexidas em suas raízes, para que tenham seus problemas definitivamente solucionados.

É mais fácil passar uma camada nova por cima e esquecer do que está por baixo.

Não entendam como uma crítica à obra, apenas como uma crítica a todos nós, que muitas vezes não vamos a fundo.

A gambiarra acontece aqui, ali e acolá. Quer ver?

A gambiarra do amor é se deixar iludir por promessas, presentes, mimos e declarações. Como é bom mascarar uma relação. É tão mais fácil...

Quantos se iludem em amores inventados, mascarados?

“O teu amor é uma mentira, que a minha vaidade quer...”

E na vida familiar? Lá vem gambiarra. Família feliz, homem bem sucedido, mulher independente, filhos nas melhores faculdades. Atrás da camada superficial, ninguém mais se encontra na hora do almoço, não há diálogo familiar, a empresa traz mais problemas que alegrias, a independência feminina não passa de solidão, e os filhos fugiram de casa, porque não era mais possível viver sob o mesmo teto.

E no high society? Aí sim que a gambiarra toma conta. Povo sorrindo, se abraçando e se elogiando. Mas no íntimo, lá no fundinho, o que se passa é aquela pontinha de ciúme, inveja, despeito... Para poder haver uma sociedade, todo mundo dá um jeitinho de se engolir.

Claro que não precisamos generalizar. Existem aqueles que conseguem viver sem disfarçar, sem solucionar de forma imediatista. Quero crer que são a maioria.

Sim... são as pessoas corajosas. Que não têm medo de ir a fundo, buscar a raiz do problema, arrancar as múltiplas camadas que se sobrepuseram, asfalto em cima de asfalto, e mudar a base. E a base está no coração, na alma, no íntimo.

Romper com quem não nos faz bem. Evitar compromissos apenas para cumprir agenda. Desmarcar o almoço de negócios só pra curtir a família. Voltar a brincar com os filhos. Conversar mais com o marido, o namorado, o vizinho, o colega de trabalho, o carteiro, o entregador de pizza.

É necessário nos relacionarmos de verdade. Chega de aperto de mão sem firmeza. Beijo sem paixão.
Chega de gambiarras do coração!

Um dia... vem a vida e cobra da gente uma solução. Definitiva. E não adianta querer disfarçar... porque existe alguém que no fundo, conhece a verdade: você mesmo!



 
O pavão e o urubu:
Em uma planície, viviam um pavão e um urubu. Um belo dia, o pavão se pôs a pensar: - Sou a ave mais bonita do mundo animal, tenho uma plumagem colorida e exuberante, porém nem voar eu posso, de modo a mostrar minha beleza. Feliz é o urubu que é livre para voar para onde o vento o levar.

Do alto de uma árvore, pensava o urubu: Que infeliz ave eu sou, a mais feia de todo o reino animal e ainda tenho que voar e ser visto por todos. Quem me dera ser belo e vistoso tal qual aquele pavão.

Foi quando as aves tiveram uma brilhante ideia: um cruzamento entre eles seria ótimo, gerando um descendente que voasse como o urubu e tivesse a graciosidade de um pavão.

Então cruzaram...
E... nasceu o Peru: que é FEIO e NÃO voa!

Moral:
Se a coisa tá ruim, não inventa! Gambiarra... dá nisso!

6 comentários:

  1. O que é gambiarra? Empulhação? Bjo!

    ResponderExcluir
  2. O que é empulhação? haha
    No poipular, gambiarra é o tradicional jeitinho brasileiro de resolver os problemas.

    ResponderExcluir
  3. Ah, bom... então não é muito diferente rsrsrs.

    ResponderExcluir
  4. Preciso elogiar o óbvio?
    ...
    humm humm
    ...
    Sim! Devo! hehe

    Belas idéias, morena!

    Mas precisa botar sempre em prática, essa é a grande batalha de viver intensamente ;)

    BJOCA

    ResponderExcluir
  5. Texto maravilhoso!!!
    Como sempre!! Escreves com muita facilidade e beleza...
    Bj para ti...

    ResponderExcluir
  6. Obrigado meus amigos!O problema, Felipe... é justamente a prática. Confesso que só sou boa de teoria. :(

    ResponderExcluir