Devaneios tolos... a me torturar.

quarta-feira, 20 de junho de 2012

No tempo da delicadeza

Delicadeza é a dureza que perdeu o fio. Navalha que não corta. Verdade que não machuca. É tornar-se forte, sem tripudiar sobre o fraco. Delicadeza, rima com gentileza. É um suspiro, que mesmo leve, tem o poder de sacudir o mundo.


3 comentários:

  1. Ser sensível

    Ser sensível nesse mundo requer muita coragem. Muita. Todo dia. Esse jeito de ouvir além dos olhos, de ver além dos ouvidos, de sentir a textura do sentimento alheio tão claro no próprio coração e tantas vezes até doer ou sorrir junto com toda sinceridade. (...) Essa intensidade toda em tempo de ternura minguada. Esse amor tão vívido em terra em que a maioria parece se assustar mais com o afeto do que com a indelicadeza. Esse cuidado espontâneo com os outros. Essa vontade tão pura de que ninguém sofra por nada. Ser sensível nesse mundo requer muita coragem. Muita. Todo dia. Essa saudade que faz a alma marejar, de um lugar que não se sabe onde é, mas que existe claro que existe. Essa possibilidade de se experimentar a dor, quando a dor chega, com a mesma verdade que se experimenta a alegria. Essa incapacidade de não se admirar com o grandioso que também mora na sutileza. Essa vontade de espalhar sorrisos por aí, porque os sensíveis, por mais que chorem de vez em quando não deixam adormecer a ideia de um mundo que possa acordar sorrindo pra toda gente. Pra todo ser. Pra toda vida.

    “Eu até já tentei ser diferente, por medo de doer, mas não tem jeito: só consigo ser igual a mim.”

    Ana Jácomo

    Te cuida mas não te comporta.
    Bj

    ResponderExcluir
  2. lindo né!!! Adoro a Ana Jácomo. Obrigado! Beijo!

    ResponderExcluir