Devaneios tolos... a me torturar.

terça-feira, 9 de abril de 2013

Viva as desigualdades!

Quero a desigualdade.

Estou cansada desse papo de igualdade de direitos.

Ninguém é igual a ninguém e viva as diferenças.

Ninguém precisa estampar a capa da revista Veja pra mostrar que ser gay é normal. Sinceramente, não me interessa o que as pessoas fazem entre quatro paredes, e com quem elas fazem.

Pra mim, Daniela Mercury e o tal (in)Feliciano, não mereciam esse crédito todo. Se ninguém desse bola para esse tipo de preconceito, a tal “normalidade”, viria naturalmente.

O que muda na sua vida se o seu vizinho namora alguém preto, branco, macho, fêmea, judeu ou budista?

O que muda no caráter de alguém, a pessoa que ela escolheu para amar?

Deveríamos nos preocupar com o ódio. Esse sim é problema. Amor é solução.

Deveríamos nos preocupar se a pessoa rouba, mata, estupra, trafica, aplica golpes, mente descaradamente, não respeita os animais, os idosos e as crianças.

Isso sim é problema.

Com quem ela faz sexo, não!

Deveríamos pregar a desigualdade dos sexos, em que as mulheres precisam e merecem sim ser tratadas com mais delicadeza, mais atenção e mais cuidado.

Nos sentimos sim, fragilizadas, desamparadas e enfraquecidas. Quem foi que disse que somos máquinas capazes de aguentar jornada tripla, quádrupla de trabalho, e ainda sermos mães, mulheres, amantes e lindas, em tempo integral?

Oras, se o marido não sustenta a casa, que pelo menos ajude a pegar no pesado.

Bonito é ser uma mulher de ferro que chega em casa do trabalho e começa a faxina, enquanto o bonito sai do trabalho e vai tomar sua cervejinha no bar da esquina. Igualdade o escambau!

Que pelo menos ele pague as contas!

Me desculpem, mas os deficientes, os doentes mentais, os mais fracos e os de alguma forma menos capazes merecem SIM um tratamento diferenciado, facilitado!

É como uma pessoa com deficiência física tentar dirigir um carro que não seja adaptado. Não vai dar certo nunca.

Viva os diferentes. Que eles sejam sempre diferentes.

Não precisam ser iguais. Ninguém é!

Estamos confundindo nossas bandeiras, lutando por igualdade em um mundo que clama por JUSTIÇA!




3 comentários:

  1. Perfeito comentário. Justiça e amor são palavras de ordem para esse mundo tão repleto de indiferenças. bj grande, parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
  2. Obrigadooo!! Créditos de inspiração pra minha amiga Kis Piovesana, que me fez parar e pensar sobre esse assunto!

    ResponderExcluir
  3. Concordo com você.Odeio isso,está tão na moda ser gay.

    ResponderExcluir