Devaneios tolos... a me torturar.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Hã?!

Oi geeeente!

Em um (péssimo) dia qualquer, eu saí do supermercado, e cruzando a avenida encontrei um amigo. Era a primeira vez que me via grávida, e prontamente veio me cumprimentar. Me parabenizou e disse:

- Teu bebê será um menino!

Eu, que ainda não sei o sexo da criança, questionei o porquê. E achando que estava me dando a melhor explicação científica do mundo, ele disse: - - Porque os meninos roubam a beleza da mãe na gravidez!

(Tóin!!! Me chamou de feia na cara dura! Até pensei no nome do meu filme, caso filmasse um: “O filho da Frankenstein”!)

Gente, esse é só um exemplo, das coisas que as pessoas nos falam sem querer falar. Eu sempre acho engraçado, e já fui vítima de centenas de comentários desse tipo, que deixam a gente de sorriso amarelo. Eu me divirto!

Por vezes, na falta de algo mais interessante para dizer, falamos o que não deveríamos. Entre as conversas que descambaram, ultimamente, tenho várias pra contar.

Estava passando muito mal e, choraminguenta, comentei com uma conhecida: - Não aguento mais, mas graças a Deus, a médica disse que depois do terceiro mês, os enjoos passsam.

Prontamente, a amiga me animou: - Que nada... eu entrei vomitando na maternidade.

( Valeuuu!!! Pelo menos tem alguém pior que eu! :D )

Na sequência, cruzei com uma pessoa na rua, e ela me olhou com olhos arregalados, e disse: - Nossa, nem te reconheci, precisei olhar duas vezes.

(Alôooo! Eu tô grávida, não fiz transplante de rosto!!!)

Meus caros leitores, são situações cotidianas, gafes que cometemos sem querer, e que não devem ser condenadas, devem virar história pra contar.

Quem nunca deu um fora do tipo:

- Oi fulana, está de quantos meses?

- Eu não estou grávida!

Ou:

- É seu pai?

- Não, é meu namorado.

Os mais velhos da família, tipo aquela sua tia avó, também é campeã de audiência quando o assunto é dar furo. Você passa um mês comendo nabo e tomando suco de luz, consegue perder um quilo, e quando encontra com ela, a primeira coisa que escuta é:

- Mas que bela, que gorda! Assim que é bonito!

(Socorroooo!!!)

Outra pérola que ouvi numa dessas.

- Michele, não te queixa de ficar gordinha na gravidez. É a única ocasião na vida de uma mulher que ela fica gorda e bonita.

(Como??? Não existe no mundo gordinhas bonitas? Ser gordo é sinônimo de ser feio? Gente, vou ter um surto psicóticooo!)

Ou ainda:

- Parabéns Michele. Não te preocupa. Melhor ficar grávida, do que ficar doente!

(Hã?! Com licença, vou até aí morrer, e já volto!)

Divido com vocês essas pérolas, porque saíram da boca de pessoas muito queridas, e que na verdade, jamais tiveram a intenção de ofender. Serve como alerta para nos policiarmos um pouco, já que somos verdadeiras bocas de matraca, gamelas que vivem abertas palpitando sobre tudo. Precisamos pensar duas vezes antes de falar, e não o contrário.

Um comentário “maldito”, pode acabar com uma amizade, ou gerar uma grande confusão.
E quando escapulir alguma besteira boca afora, vamos levar na esportiva, e rir juntos!

Beijos, meus lindos, e quem nunca se atrapalhou com as palavras, que atire a primeira pedra!

Nenhum comentário:

Postar um comentário