Devaneios tolos... a me torturar.

sábado, 10 de julho de 2010

E o cordão dos puxa-sacos...


Oiiiii geeeente!
Amados meus! Nesta semana vou falar de uma profissão promissora, que cresce a cada dia: a carreira de PUXA-SACO.
Eles estão aí para deixar o saco de qualquer um enooooorme.
Vou contar uma historinha:

Em uma cidadezinha chamada Saco Grande do Norte, o prefeito Jacinto Pinto fez uma reunião de Secretários no início da tarde. Mas Jacinto Pinto havia se empanturrado de chucrute no almoço de correligionários, que aconteceu em uma capela do interior. Jacinto já sentia aqueles gases comuns, oriundos de tal iguaria da culinária alemã. Estavam os Secretários Municipais concordando com todas as ideias que o administrador dava, quando seu Jacinto soltou aquele “pum” fenomenal, e pior: em alto e bom som. E aquele aroma invadiu o ambiente.
O Secretário de Indústria e Comércio, que era jardineiro, disse: - Que cheirinho de flores do campo.
O Secretário de Obras, que era comerciante, disse: - O cheiro veio de fora, passou o caminhão do lixo.
O Secretário da Saúde, que era eletricista, disse:- Não estou sentindo nada...
E por aí foi...
Mas o Secretário da Agricultura, que era engenheiro agrônomo, torceu o nariz e disse:- Isso é repolho podre, minha gente!
Houve um desconforto geral na reunião. Como poderia aquele Secretário despreparado, que não entende nada de política, falar a VERDADE? E na cara do Prefeito, o chefe maior?
Quando tudo parecia perdido, eis que o Oficial de Gabinete salva a Pátria, gritando:- Fui eu!

Queridíssimos! Identifiquem no texto, os “puxa-sacos”.

Eles são uma espécie comum em qualquer lugar. Geralmente despreparados para a função que assumem, estão aí para delatar colegas de trabalho, babar nos ovos do chefe, fingir que trabalham, e claro... receber o salário no final do mês.

Na política, são os “assessores dos assessores dos assessores”, ou aqueles “incômodos companheiros”, que só fizeram campanha, esperando uma tetinha.

Precisam ser “colocados” em algum lugar, para que não “virem a casaca” na próxima eleição.

São aqueles que sobem na empresa, não porque fizeram Pós, Especialização, MBA, ou qualquer coisa do tipo... Mas sim, porque todo chefe que não sabe liderar sua equipe, precisa de cães de guarda, fiéis e geralmente burros, para cuidar da vida alheia.



Não têm formação específica para a função, não entendem nada com coisa nenhuma, e geralmente, se acham donos da razão e competentíssimos.



Nunca vão ser exterminados, porque são extremamente úteis. Alguns são inteligentes, e são pessoas de formação exemplar, mas que “por falta de oportunidade melhor”, se sujeitam a ocupar cargos de puxa-sacos, somente para conseguir um bom salário.



O que quero dizer, com isso tudo, é que desta forma, ninguém vai para frente. O puxa-saco não evolui e nas crises de consciência percebe sua completa falta de amor próprio e honra. Os perseguidos pelo puxa-saco se desmotivam no trabalho. A qualidade do serviço prestado cai. E claro, a falta de alguém que discorde do chefe e traga ideias novas, acaba estagnando a empresa, o comércio, a administração municipal e a gestão de um político.

O requisito para assumir qualquer função não deveria ser partido político ou submissão, deveria ser: qualificação.

E não estou escrevendo esse texto para ninguém em especial, muito menos para pessoas de Guaporé. Muito embora, sempre tem alguém que use o chapéu.

Estou escrevendo para os líderes, para os governantes, para os empregadores. Eles sim, precisam deixar de contratar puxa-sacos. Somente desta forma, finalmente, no verão, os altos índices de puxa-sacos mortos, serão zerados.

Afinal, é só o amado patrão entrar na água acima da cintura, que o puxa-saco morre afogado, pois está lá, pendurado, com unhas e dentes... naquele lugar que vocês estão imaginando...

Beijos meus lindos, e não precisam ficar puxando meu saco (saco virtual, ok), podem escrever, falando exatamente o que pensam:

Michele@tl.com.br

E a frase da Copa, afinal, mulher entende tudo de futebol: Não importa o tamanho da vuvuzela. O importante é ter alguém para soprá-la...

Um comentário:

  1. Não existe fronteira nítida entre Jacinto Pinto e seus secretários aduladores. Esse prefeito é o pior dos aduladores, porque adula a si mesmo. Quanto aos seus secretários, o medo os faz mais lisonjeiros do que o amor.

    ResponderExcluir