Devaneios tolos... a me torturar.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Eu era virgem...

"Não vemos as coisas como são: vemos as coisas como somos!"



 
Ontem perdi a virgindade. (Eu sei, que você aí, danadinho, deve estar arregalando os olhos e pensando: - Tá! E eu sou o Bozo!). Mas perdi mesmo. Mais uma vez.

Aliás, é depois de uma certa idade que você perde a virgindade, mesmo. E isso não tem nada a ver com essa coisinha que você tem no meio das pernas.

Perder a virgindade pode acontecer no trabalho, com amigos, com namorado, marido, na rua, na balada, em qualquer lugar. E acontece o tempo todo.

Muitos meninos fazem sexo pela primeira vez com prostitutas pagas. E juro, eles perdem neste momento a noção de que mulher é um ser especial, que precisa ser conquistado, amado. E não comprado e pago.

Eles perdem a virgindade aí! Ao perceberem que o prazer é vendido. Que o corpo da gente é mercadoria.

As meninas, que leram muitos contos de fadas, perdem a virgindade com meninos, que completamente alienados ao sentido real do sexo, as tratam como objetos.

A sujeira do sexo pago não está no dinheiro. Está no descarte.

-Obrigado por me satisfazer, agora, cai fora!

E a partir daí, passamos a perder a virgindade todos os dias. Quando perdemos a inocência, quando as pessoas não nos valorizam, quando nos sentimos descartáveis, quando nos decepcionam. Quando descobrimos que alguns sonhos são apenas utopias. Que nosso amor não é perfeito. Que nosso ídolo é corrompido. Que nosso político é corrupto. Que nosso patrão é carrasco. Que nosso amigo é falso.

Que mentira nos contaram quando disseram que perder a virgindade era fazer sexo pela primeira vez. Quando você faz sexo por amor a alguém, você é eternamente virgem, porque é sempre como se fosse a primeira vez.

Perder a virgindade é perder a inocência. E nos tempos de hoje, nos estupram, sem dó nem piedade. E a cada dia nos mostram que a sociedade é tão hipócrita, tão fingida, tão suja. Falsos moralismos, regras e conceitos ultrapassados.

Perdemos a virgindade quando nos dizem que devemos ser o que desejamos, devemos nos assumir e correr atrás de nossos sonhos. Depois nos discriminam por sermos diferentes, nos ridicularizam, nos perseguem, nos apontam, nos julgam e riem de nossos sonhos.

Se perder a virgindade é perder a pureza...

Queria ser virgem a vida toda.

Queria acreditar sempre, nas pessoas.

Hoje em dia, os cirurgiões plásticos devolvem a virgindade física a você. Mas a inocência... uma vez roubada... não volta nunca mais.

“O amor é o ridículo da vida. A gente procura nele uma pureza impossível, uma pureza que está sempre se pondo. A vida veio e me levou com ela. Sorte é se abandonar e aceitar essa vaga ideia de paraiso que nos persegue, bonita e breve, como borboletas que só vivem 24 horas.” – Cazuza

6 comentários:

  1. Que texto é esse! Que mulherm é essa! Parabéns, mil vezes.

    ResponderExcluir
  2. A citação de abertura lá em cima no texto é maravilhosa.

    ResponderExcluir
  3. maravilhosa e verdadeira.

    ResponderExcluir
  4. Oi, Michele, consegui colocar de novo um blog no ar. Abç.

    ResponderExcluir
  5. não podemos deixar que matem a criança que existe em nós, precisamos protege-la de algum jeito.
    Beijos mocinha!
    Ana.

    ResponderExcluir
  6. esse texto é muito verdadeiro gostei muito

    ResponderExcluir