Devaneios tolos... a me torturar.

domingo, 22 de agosto de 2010

Hola Brasiloche!

Oi geeeeeeeente! Eu quero meu MU-MU!!!!

Meus lindos! Viajei por uma semana para a Patagônia Argentina. Fui até onde minhas economias puderam me levar, mas quero dividir com vocês a emoção de desbravar a Cordilheira dos Andes e conhecer as belezas de Bariloche.

Meus amados, muitas das minhas amigas e pessoas próximas gostariam de viajar, e me perguntam como eu consigo. E eu sempre digo: priorizando.

A grande maioria das pessoas trabalha muito, e na hora de gastar, precisa fazer opções. Então, antes de comprar roupa, trocar minha Tv por uma LCD, ou de trocar de carro, eu viajo.

É uma opção pessoal, mas para mim, é a escolha certa. Eu tenho verdadeiro vício, necessidade de conhecer o mundo onde vivemos, e conhecer pessoas diferentes, culturas diferentes. E juro, não tem faculdade no mundo que ensine mais que uma bela viagem.

Essa última, parcelada em duzentas mil vezes, mudou completamente minha opinião sobre los hermanos.

Como sempre, os pré-conceitos, nos cegam. Tinha a impressão de que os argentinos eram arrogantes, mal educados e que não gostavam dos brasileiros. Isso até passar alguns dias com eles, no universo deles.

Bariloche tem mais de 100 anos, e mais de 100 mil habitantes. Vive do turismo, chocolate, cerveja artesanal e da tecnologia.

Durante o inverno, é chamada de Brasiloche, dada a quantidade de brasileiros por lá. A gauchada que foi comigo (um avião fretado só com gaúchos) tomou conta de tudo. Foi até difícil treinar meu espanhol, porque a gente ouve mais português do que outra língua. Mas nas estações de esqui, como Cerro Catedral, o mundo se encontra: os mais diferentes povos, as mais variadas línguas, todos simplesmente “abobados” com o espetáculo da natureza. A Cordilheira se apresenta majestosa, cercada de lagos por todos os lados.

Pegamos muita neve, e os moradores afirmaram que foi a primeira grande nevasca de 2010. Aliás, na cidade de Bariloche, a neve é cada vez mais rara. Isso se dá pelos efeitos do aquecimento global e pelo sistema da calefação, que funciona em todos os lugares. Aquecidas a gás, as caldeiras mantém as casas e locais públicos muito quentinhos, em contraponto a temperaturas que ultrapassam os 10 graus negativos nas ruas.

Por lá, o gás natural é encanado e barato. A calefação nos bairros custa menos de 30 reais por mês, o que torna o sistema super acessível a todas as classes.

Bom, para passear pelas ruas, é necessário muita roupa, mas dentro dos ambientes, é mesmo muito calor.

Nas estações de esqui, é necessário usar roupa especial, senão, meus amigos, molha até a ... alma!

Tudo em Bariloche é muito barato. Comida, transporte, passeios e serviços. A comida, deixa muito a desejar. Praticamente não leva sal. O que me deixou uma semana sonhando com o Clube, com a Pizzaria e com o Posto.

Fora isso, os argentinos são simpáticos, divertidos e acolhedores ( e por favor, não espalhem... mas eles são LINDOS demais).

Você pega uma simpatia por aquela gente que te recebe com tanto carinho, que dá vontade de ficar lá pra sempre (ainda mais se um bonitão te pedir em casamento hahahaha).

Mas falando sério... gostei tanto, que tô quase torcendo pro Maradona... (meeenos haha).

Quero recomendar a todos os leitores que viajem. Que saiam um pouco do seu mundo cômodo e confortável. Onde tudo é conhecido e os conceitos já estão formados. Viajar é abrir a mente ao conhecimento, é compreender as diferenças, crescer como ser humano, e invariavelmente se tornar uma pessoa melhor. ( Ou pelo menos se tornar uma pessoa mais magra, porque com o piriri que me deu na Argentina, acho que tô 5 quilos mais leve hahahaha).

Conheci um lugar, na fronteira com o Chile, conhecido como Cerro Tronador. É uma montanha gelada, na Cordilheira, onde visitamos o “Glaciar Negro”. Gelo glacial de milhões de anos, em uma visão inacreditável. Depois de 70 quilômetros em chão batido, em uma reserva ambiental cortada por rios gelados, vegetação magnífica e muita neve, chegamos caminhando por 2 quilômetros, ao glacial. Quando o gelo se desprende do topo do morro, e bate nas rochas, o barulho como que de um trovão, pode ser ouvido há quilômetros. A montanha inteira ruge. É algo único e muito impressionante.

Fiz passeios maravilhosos, e estou cheia de dicas para dar, a quem se interessar.

O triste, depois de ser muito bem recebido no país das pessoas que conhecemos como nossos rivais, é chegar ao Brasil, com um potinho de mu-mu e ser barrada na alfândega. A vigilância sanitária estava recolhendo e jogando no lixo todo o doce de leite do país vizinho. Eu sei que é uma questão legal... mas no país do contrabando, da sonegação e da fome, é realmente um grande desperdício jogar fora nosso “mu-mu”. É revoltante e triste. Ninguém estava carregando duzentos mil quilos de doce de leite contrabandeado... mas as autoridades locais precisam parecer úteis de alguma forma.

Meu potinho de mu-mu foi pro lixo sem dó nem piedade. E no aeroporto peguei um taxista tão mal educado e grosso, que juro, fiquei com vergonha de ser brasileira.

Por incrível que pareça, temos muito a aprender com os argentinos.

Muita neve, nas montanhas e também na cidade de Bariloche. Agosto 2010.



                                        Lago Nahuel Huapi, que banha a cidade de Bariloche.

                              Lindos e simpáticos, os São Bernardos estão por toda a parte.
Passeio em moto de neve na estação Cerro Catedral. De tirar o fôlego!

Diante da imponência da Cordilheira, palavras são desnecessárias!
Fabricação de chocolate artesanal. Delicioso e muito barato.
Simpáticas ruas de comércio em Bariloche.
No topo da Cordilheira. Valle Challuaco.
Cerro Tronador: Glaciar Negro.

32 comentários:

  1. Que escolha sensacional viajar.. ]
    "prioridade" interessante.. hehehe
    Bonito Blog..

    ResponderExcluir
  2. é uma pena que eu só possa viajar uma vez por ano... comer é prioridade mais vital hahaha
    obrigado!!!
    Michele

    ResponderExcluir
  3. Tem gente que não come..
    Viajar uma vez por ano já é uma grande façanha.
    tá, é um exagero pra situação e eu não sou candidato a nada.. hehe

    ResponderExcluir
  4. Michele, adorei teu blog! Muito legal mesmo! E as fotos tão lindasss!
    Beijos pra ti e manda um oi pro Junior
    Bruna (a que viajou contigo caso tu não lembre, hehehe).

    ResponderExcluir
  5. Brunaaa!!! Viu, como me revoltou o "roubo" do mu-mu! haha

    ResponderExcluir
  6. Vi!!! Mas eu também ficaria muito revoltada. Na próxima vez não declara, hahaha!!! Olha só, a advogada te aconselhando a infringir a lei, hahaha!!!
    Não podemos deixar de marcar um almoço um dia desses, hein!!!
    Beijosss

    ResponderExcluir
  7. Micheleeee
    Amei o relato.....
    Me fez em pensar que aqui dentro mesmo do nosso Brasil temos um povo educado, cativo e alegre....
    Foi fazer um post sobre minha viagem para o interior de MG....

    E incrivel que pareça, o povo de fora eram os porquinhos....

    Ainda conhecereI BARILOCHE.....

    Sobre prioridades, claro que comer é uma delas. Mas viajar, é algo que tb não abro mão. Em 3 dias fui para 3 lugares em MG e amei! E é apenas se organizar. vc conhece lugares novos, gente novo, cultura.... Tudo que é novo dá medo.Mas É NOVO!
    Bjssss

    ResponderExcluir
  8. Ah... é verdade! Encontramos pessoas encantadoras e mal humoradas em todos os lugares... no Brasil, na Argentina, na China hehe
    Mas só aquelas que nos tocam com carinho e simpatia levamos no coração!
    Não conheço Minas, mas está nos meus planos, vou fuçar no teu blog! hehe
    Beijosss Rafa!

    ResponderExcluir
  9. Que bom que tu voltou!!! Tava com saudades!!! Tudo lindo na tua viagem!!! E eu também tenho bons comentários sobre nossos vizinhos "porteños" ... Sempre que vou a Buenos Aires sou muito bem tratada... Tenho até um padrinho de casamento Argentino!!
    Educação e gentileza são coisas que não tem nacionalidade... ou a pessoa é ou não é!!!

    Beijos, bem vinda ao "lar"!!!

    ResponderExcluir
  10. Miche...

    Adorei tudo o que falaste sobre as viagens. Concordo plenamente contigo. Muitas pessoas só se preocupam com bens materiais e aparências, enquanto deixam de experimentar o doce sabor de uma viagem. De conhecer lugares, pessoas e costumes que aqui desconhecemos.
    Que bom que tu está sempre em busca de novos conhecimentos, até pq é essencial pro teu trabalho e pra tua vida tbm.

    Parabéns amiga! As fotos tbm estão arrasando!

    Grande Beijo

    Cleimara

    ResponderExcluir
  11. rsrsrsrsrs Eu ainda irei relatar sobre minha viagem....
    fui para interior de MG (pedro leopoldo e Santa Luzia) Amei!!!!

    Sou uma mineira frustrada! rsrsrsr

    Passa lá sim... tenho escrito algumas coisas..Ando desaniada em escrever!Mas não irei desistir!

    ResponderExcluir
  12. Apesar de ser um post antigo, comentarei.
    Fiquei abismado com o quão lindo pode ser a Argentina, e que experiências como a sua são necessárias para mostrar um verdadeiro conceito, não só por pessoas, mas por vida.
    Pretendo ir a Bariloche esse ano, espero que consiga!
    Seu post me está me servindo de inspiração.
    Tudo muito lindo, inclusive tenho que dizer que sua presença era oque faltava para completar a paisagem.
    Até mais
    Carlos Alberto. - Floripa SC

    ResponderExcluir
  13. Ja estou de passagem comprada para ir a bariloche em julho ficaremos por lá 7 dias seu blog foi muito importante para mim, lindas fotos...............bjs
    venha conhecer Visconde de Mauá

    ResponderExcluir
  14. Claudina! Só tenho um pedido a fazer: Me leva na mala??
    Tu vai amar Bariloche, é um lugar encantador. Não deixe de fazer o passeio de moto na neve em Cerro Catedral, e se puder, va ao Cerro Tronador. É longe, cansativo, mas a paisagem é algo inesquecível! Beijos! Hasta la vista!

    ResponderExcluir
  15. Adorei tudo o que voce escreveu!!!
    E bom pra mim saber que forom bem recibidos, e que gostaron dos passeios, podem voltar quando voces quiserem!

    ResponderExcluir
  16. Oi José! Que bom que tu visitou meu blog! Fiquei muito feliz!

    ResponderExcluir
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  18. Queria saber se você programou a viajem ou realmente chegou lá e escolheu o que queria fazer?.. E quando custa os passeios?

    Obrigada

    ResponderExcluir
  19. Oii! Comprei um pacote com agencia, que incluia alguns passeios. Mas chegando lá, alugamos um carro, que é bem em conta, e começamos a fazer tudo sozinhos, o que também custa mais barato. Nao sei dizer os preços hoje, mas é tudo bem acessível. Os passeios pelas agencias de turismo sao mais caros!

    ResponderExcluir
  20. Sempre sao mais caros!!!! O Melhor é alugar um apartamento en Bariloche Center, tem tudo perto, o Centro Civico, a rua Mitre, as Chocolaterias, e fica a 200 mts do Lago Nahuel Huapi!! MUITO BARATO BARILOCCHE CENTER!!!

    ResponderExcluir
  21. O José conhece tudo, ele que me apresentou Bariloche, é melhor seguir os conselhos dele! ;)

    ResponderExcluir
  22. Parabéns pelo blog...estou com uma dúvida, para quem quer ir a Bariloche em Junho ... consegue esquiar? Há neve nesta época?...obrigado

    ResponderExcluir
  23. Julho é considerada alta temporada pra nós brasileiros, mas dependendo das condições do clima, se o inverno chegar com força, já nevou em junho. No ano que fui, pegamos a primeira grande nevasca. Foi em agosto. Acredito que é necessário verificar com sites da argentina, pra saber com precisão... eu não sabveria dizer! :S

    ResponderExcluir
  24. Michele, obrigada pelas declarações sobre bariloche! Estou me programando para ficar 15 dias lá em agosto, estive em dúvida pois não me entendo muito bem com o esqui, rsrsrsrsrs. Será que encontrarei outras opções de lazer?... a idéia da moto na no cerro catedral me encantou!! como funciona? tem que alugar roupa? um abraço!!!

    ResponderExcluir
  25. Oi Liliana! Eu tbém não me dou bem esquiando! :S
    Lá tem passeios diversos, um pra cada dia. Nas estações de esqui, o passeio de motos é lindo, tem tbém em quadriciclo. Tem os passeios nos teleféricos! E ainda passeios na região dos lagos, caminhada na neve subindo as montanhas, o passeio ao cerro tronador, que leva um dia todo.
    As roupas vc aluga lá. Em cada esquina tem roupas pra vender. Pelo menos uma bota de neve, ou uma botina tipo Bull terrier, é fundamental. Nem pensar em caminhar na neve de tenis ou bota montaria. Além de ser escorregadio, molha tudo! Eu usei macacões, são quentinhos e não molham! E o aluguel não é caro! Bjs!

    ResponderExcluir
  26. Ops: roupas para alugar, não pra vender rsrsrsrs
    E os esportes na neve tem que ser com roupa especial mesmo. Se levar daqui, usem as jaquetas e calças impermeáveis!

    ResponderExcluir
  27. Esquiei no Chile (tentei, né? rsrsrsr) e aluguei roupa por lá. Vou ficar duas semanas, estudando de manhã, então terei as tardes para conhecer tudo... acredito que as motos serão minha paixão lá... estou criando um blog das minhas viagens, sou uma apaixonada pelo mundo e pela estrada, estou sempre viajando e quando estou aem casa, tenho alguma viagem em vista! Depois te passo o endereço do blog. Um grande beijo e muito obrigada!

    ResponderExcluir
  28. Eu também vivo planejando viagens!!! Passo o ano inteiro pensando nisso!!! Passa o endereço sim, e me ajuda a escolher o próximo roteiro!

    ResponderExcluir
  29. Não li todos os comentários, logo, não sei se estou sendo repetitivo, mas Bariloche é tão legal que vale a pena até ir com pacote da CVC, que é um preço parcelado viável e já inclui a roupa de neve. Precisamos alugar apenas os skis. Para quem vai só para esquiar, sugiro Vale Nevado no Chile, porque não tem cidade por perto (2 h de van de Santiago).

    ResponderExcluir
  30. Estive em Bariloche um mês antes de você e tive exatamente as mesmas boas e inesquecíveis impressões. Já fui lá outra vez, pra matar a saudade. E pretendo voltar ainda, de tão mágico que é aquele lugar. Quanto à comida, realmente, tanto em BsAs, quanto em Bariloche, é ruim mesmo. Perdi mais de três kilos em quinze dias de viagem.
    Todavia, o interessante mesmo é ir a Bariloche partindo de Buenos Aires - detálhe: de ônibus. Sim! Vinte horas de viagem, mas com uma paisagem sempre e constantemente estonteante da entrada da Patagônia. Escolhi viajar num ônibus de dois andares; peguei a poltrona(butaca) da frente no segundo andar do veículo. Resultado: Você viaja o tempo todo com os pés no vidro, tendo a mesma visão privilegiada do motorista, só que de um ponto de vista mais alto. Recomendo.
    Um abraço do Jefferson Pacheco-Fontenelle

    ResponderExcluir
  31. olá tudo bom? ja amei seu blog... então onde vc comeu la? é caro?

    ResponderExcluir
  32. Oi!!! Passamos desde lanchonetes, pizzaria a restaurantes no centro. Se não mudou de lá pra cá, a comida é muito barata! Quando fui, o peso argentino estava desvalorizado com relação ao real, então em comparação com o Brasil, a comida era metade do preço!!
    Boa viagem!

    ResponderExcluir