Devaneios tolos... a me torturar.

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Descobriu? Tome uma atitude, por você.



Por favor, não me contem!
Estou sendo traída? Meu melhor amigo falou mal de mim pelas costas? Fulana de tal elogiou meu trabalho e depois me esculachou para o grupo de amigas? Eu era assunto na sacada do Clube? E no bar do Pirigoso?

Ah... não me contem. Prefiro não saber. Se souber, inevitavelmente, vou precisar fazer algo a respeito.

Eu sou daquele tipo que faz pose intelectual, mas chora em final de novela das 8. E ultimamente tenho me irritado com a mula manca do Totó, enganado sem dó nem piedade pela “eschifosa” da Chiara. A Gema, “poverina”, tenta abrir os olhos do italiano-jegue, mas sem sucesso. (Meu pai outro dia comentou que o Totó devia ser português, não italiano. Hehehe)

Mas falando sério, na real, o Totó, e nós Totós, sabemos de muita coisa, e continuamos a nos enganar. Depois de uma certa idade, aquela fúria adolescente de fuçar no celular alheio, descobrir senhas de internet do amado, procurar manchas de batom, tirar a limpo a fofoquinha da cidade, pegar a amiga linguaruda pelos cabelos... vai desaparecendo, e nós, mais centrados, acabamos nos acomodando em situações tranquilas, e a última coisa que queremos, é que nos tirem o sossego.

"Se nos fosse dado o poder mágico de ler a mente uns dos outros, o primeiro efeito seria, sem dúvida, o fim de todas as amizades e relacionamentos." (Bertrand Russell)

Nós (todos nós, queridinhos), temos pensamentos maldosinhos sobre outras pessoas. E invariavelmente abrimos nosso bocão gigante para destilar veneno, até mesmo pra cima de quem amamos. Somos fracos, caímos nas mais diversas tentações, e somos, todos nós, infiéis em algum momento de nossas vidas, mesmo que não “consumemos” nossas infidelidades.

O que quero dizer com isso, é que conheço muita gente que vive correndo atrás de sarna pra se coçar. Procura chifre em cabeça de galinha. E sempre acha o que procura.

Não estou dizendo que devemos ser uns idiotas, tontos, enganados e iludidos em amizades falsas, filhos que se dizem perfeitos, amores mal pagos. Estou dizendo que é melhor vivermos bem, com paz de espírito. Grandes traições, venham elas de onde vierem (amigos, colegas de trabalho, familiares, amores), um dia vão vir a tona mesmo.

Você pode enganar uma pessoa por muito tempo; algumas por algum tempo; mas não consegue enganar todos, o tempo todo.

E aí sim, quando a verdade aparecer, faça algo a respeito!

A grande maioria das pessoas que sai por aí procurando desassossego, encontra. E acaba vivendo uma vida de infelicidade. Briga muito, grita muito, xinga muito, chora muito. E nunca faz nada para mudar a situação. Descobrem o que querem descobrir, e então, fingem não saber!

Estes sim, na minha opinião, são os idiotas.

Você não pode mudar os outros, mas pode mudar a si mesmo. Sua felicidade depende de você. Não condicione aos outros.
Mentir para si mesmo, é sempre a pior mentira... já cantou Renato Russo.
E os infelizes que conheço, não são enganados pelos outros. Enganam a si próprios.

5 comentários:

  1. è... decididamente, não devemos ser totós..rs

    ResponderExcluir
  2. é como uma doença... enquanto não sabemos, parece estar tudo bem... ao descobrirmos, precisamos dar um jeito, né? Ou a doença acaba com nossa vida...
    as vezes o tratamento é bem dolorido...

    ResponderExcluir
  3. A atitude que eu queria mesmo é da Prefeitura de Guaporé: dar um jeito nas péssimas condições dos dois acessos secundários à cidade pela RS 129.

    ResponderExcluir
  4. hahahaha podemos fazer uma matéria no jornal sobre isso!!! Podemos não... VAMOS fazer... valeu pela dica.

    ResponderExcluir
  5. Graaaaande dr!!! PIQUEI meu corsinha saindo pra Anta Gorda! Quem paga a minha roda entortada? Onde estão os políticos??! Vão esperar a gente sumir nos buracos??!! Bjos, querido!!

    ResponderExcluir