Devaneios tolos... a me torturar.

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Gosto de pessoas sinceras. Mas amo as pessoas gentis.

Oi geeente!!



Me engana, que eu gosto!!

Criticamos tanto a falta de sinceridade que muitas vezes nos esquecemos de que se todos falassem tudo o que pensam, já teria sido decretada a Terceira Guerra Mundial há tempos.

Hoje quero agradecer aqueles que nos enganam. Para o nosso bem!

Estava em uma loja esperando para ser atendida quando saiu do provador uma mulher esturricada dentro de um vestido 10 números menores que o dela. Se a pobrezinha respirasse, aquilo tudo ia estourar e ela seria presa por atentado violento ao pudor. Mas ela estava amando o visual!  Talvez orientada pelos donos da loja, ou por puro bom senso, a vendedora apoiou a ideia da mulher de levar o vestido, afinal, ela já havia decidido de qualquer maneira, que aquela seria a roupa da noite.

E que noite!! Encontrei ela na festa, com o vestido novo, estilo Madonna nos tempos de Like a Virgen, com um cabelo Cindy Lauper e polainas Flash Dance. Estava se divertindo muito, e até curtindo uns beijinhos com um menino estilo Restart.

Provavelmente ninguém a criticou, e ela teve uma festa memorável, ao passo que poderia ter ficado em casa se sentindo gordinha, pouco sexy, solitária.

Há uns dois anos, cortei meu cabelo bem curtinho, e quando cheguei em casa toda entusiasmada, meu pai olhou e disse:  -Uma galinha depenada é mais bonita do que tu com esse cabelo. (Me senti o Telmo Martins, completamente careca, e corri fazer um mega hair). Eis que há algumas semanas, cortei o cabelo de novo. E adorei. O problema era encarar meu pai, o fanático pelos cabelos arrastando no chão. E não é que desta vez, ele não elogiou, mas pelo menos, não criticou! Obrigado senhor!!!

Uma amiga minha, naquele adeus derradeiro de um relacionamento, pediu para o bofe, que já estava de malas prontas: - Você me amou, pelo menos? E ele: - Eu ainda te amo. (Ele foi embora de qualquer jeito, mas ela não se sentiu tão rejeitada assim, por fim.)

Por isso afirmo, a não ser que seja para algo realmente importante, procure exercer mais a gentileza, do que a sinceridade. Super sincero só é engraçado em seriado de televisão!

Adoro um texto da Martha Medeiros que diz:

“ Não respondo teus e-mails, e quando respondo sou ríspido, distante, mantenho-me alheio: faz de conta que eu te odeio.

Te encho de palavras carinhosas, não economizo elogios, me surpreendo de tanto afeto que consigo inventar, sou uma atriz, sou do ramo: faz de conta que eu te amo.

Estou sempre olhando pro relógio, sempre enaltecendo os planos que eu tinha e que os outros boicotaram, sempre reclamando que os outros fazem tudo errado: faz de conta que eu dou conta do recado.

Debocho de festas e de roupas glamurosas, não entendo como é que alguém consegue dormir tarde todas as noites, convidados permanentes para baladas na área vip do inferno: faz de conta que eu não quero.

Digo que perdôo, ofereço cafezinho, lembro dos bons momentos, digo que os ruins ficaram no passado, que já não lembro de nada, pessoas maduras sabem que toda mágoa é peso morto: faz de conta que eu não sofro.

Cito Aristóteles e Platão, aplaudo ferros retorcidos em galerias de arte, leio poesia concreta, compro telas abstratas, fico fascinada com um arranjo techno para uma música clássica e assisto sem legenda o mais recente filme romeno: faz de conta que eu entendo...”

A gente faz de conta, finge que está tudo bem. A gente disfarça, tanto para os outros, quanto para nós mesmos. Por um lado isso é bom. Não precisamos estampar em outdoors nossos fracassos e fraquezas. Nem os nossos, nem os de ninguém! Se lambemos nossas feridas recolhidos em casa, porque enfiar o dedo na ferida dos outros?

Muitas pessoas têm uma sinceridade tão excessiva, que no fundo, no fundo... é puro despeito!
“Pouca sinceridade é uma coisa perigosa, e muita sinceridade é absolutamente fatal.”

Beijos meus amores!

11 comentários:

  1. Adorei Miche, e acredito que sinceridade com pudor seja um caminho também, as vezes não é ''o que se fala'', mas sim ''como se fala''! Beeijão

    ResponderExcluir
  2. Uow Miche! AHAZZZZZZOU NOVAMENTE!

    E vou te dizer que esse texto serve para eu controlar a minha sinceridade. Sim, eu sou sincera e, às vezes, até demais.

    Simplesmente não conseguiria, por mais esforço que fizesse, dizer que a gordinha estava legal no vestido apertado. Não amiga, não consigo....

    E tem outra: não consigo dizer: "Ai que pena mas, tudo vai dar certo!" para aquelas pessoas que adoram ficar se lamentando..

    Eu sei que machuco muito as pessoas às vezes por ter essas atitudes só que, não gosto que sejam falsos comigo....

    Tenho horror que me digam: "Nossa, essa calça ficou legal" se eu estou me sentindo péssima nela, e o cós tá mostrando a calcinha.

    Eu não sei dizer se discordo ou concordo contigo neste texto mas, de uma coisa é certa... tuas palavras me fizeram parar para pensar mais sobre isso.

    Sabe, eu recebia convite para uma janta com algumas mulheres e eu ia. As jantas eram sempre pra falar mal da pessoa que não comparecia na janta. Até que, elas pararam de me convidar. E o que você acha que eu estou pensando agora??

    Exatamente, podem estar falando de mim nas jantas... ou não....

    Por isso Miche, acho que esse tipo de coisa não precisa acontecer... ser sincera ao invés de fazer isso pode ser melhor.

    Claro que, cada situação é uma.... precisamos ter o discernimento para agir corretamente.

    LOVE Your words!!!

    Bjão!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Mas sinceridade e gentileza devem ser utilizadas na medida certa. bjs querida! E como disse um amigo meu, "o cabelo é uma coisa que podemos mudar de tempo em tempo, e as tecnologias da beleza e o dinheiros nos possibilitam isso!

    ResponderExcluir
  4. Concoordo com vcs girls! E digo mais: a intenção faz a diferença. Muitas vezes a "sinceridade", vem repleta de "maldade", pra deixar a pessoa no chão mesmo!

    ResponderExcluir
  5. SINCERIDADE para as coisas importantes.
    GENTILEZA na hora de discutir gostos, cores e amores, afinal, o feio para um, é belo aos olhos do outro!

    ResponderExcluir
  6. Isso que eu quis dizer!!
    Minha psicóloga mineira me ajudou!

    ResponderExcluir
  7. Parafraseando teu texto... "A gente faz de conta, finge que está tudo bem. A gente disfarça, tanto para os outros, quanto para nós mesmos." Ou seja... a gente sofre por dentro... calada... pelo bem geral da nação... para sermos gentis, pois se fossemos realmente sinceras... não sobrava nada...

    PS: Adoro teus textos...

    ResponderExcluir
  8. Saber ouvir, falar na hora certa, ser discreto, verdadeiro e controlar os pensamentos ruins (todos nós temos). Mania horrorosa de julgar. Enganamo-nos achando que somos bons, e ao invés de melhorar, curtimos nossa perfeição mentirosa, sofrendo e perdendo tempo com os alheios. É tão mais gostoso aceitar-se e tentar melhorar.

    ResponderExcluir
  9. Adoro a sua coluna quando chega o jornal vou direto ler,esta materia sobre a gentileza e a sinceridade foi maravilhosa eu muitas vezes ja fui sincera demais e me dei mal,hoje sou mais gentil do que sincera.

    ResponderExcluir
  10. Oi Michele, tudo bem?
    Adorei o seu blog!!! Voltarei sempre...

    bjs

    Ana
    www.ananumdiadaqueles.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Que bom Ana!! Volte sempre!! Vou visitar o teu também!! bj

    ResponderExcluir