Devaneios tolos... a me torturar.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Sem calcinhas e sem dignidade...




Oi geeeente!



Nos últimos dias fez um calor infernal. O capeta abriu as portas do submundo, e nós aqui, começamos a torrar vivos, suando em bicas. Foi numa dessas noites que algo estranho aconteceu comigo.

A gente não dorme bem em noites de calor excessivo. Eu estava sozinha em casa e tive todo o tipo de pesadelos. Quando o sino badalou as seis da matina, entre sonho e realidade, fui despertada por uma forte cãibra na perna direita. A dor era grande e eu saltei da cama num pulo só, pra fixar o pé no chão e esticar a perna.

A dor passou.

Mas aí veio aquela tradicional e incontrolável vontade de fazer xixi. Porque de manhã cedo, invariavelmente, a bexiga está cheia.

Lá fui eu fazer xixi, e com as calcinhas na altura dos joelhos, o mundo começou a girar.

A manhã escureceu e eu só me lembro de ter pensado: preciso puxar as calcinhas pra cima e correr pra cama, ou caio aqui mesmo.

Acordei um tempo depois. Caída no tapete do quarto, olhando pro teto, com o queixo machucado, a cabeça latejando. Tropecei em um baú, bati o rosto, e capotei.

Minha cachorrinha lambia minha mão quando voltei a mim. Foi a sensação mais estranha da minha vida. Não é como ir dormir, ficar inconsciente e acordar, sabendo onde está. Não é como receber uma anestesia. É outra coisa.

É a sensação de que algo saiu do seu controle, aconteceu sem ser planejado. De repente, do nada, sem aviso prévio, você é desconectado do seu corpo e fica literalmente fora do ar.

No intervalo entre o vaso sanitário e o despertar, não lembro de nada. Tive uma síncope (nome chique para desmaio). E juro, me bateu um medo enorme de ter morrido. Acordei no chão e não lembrava como havia parado aí. Jurava que estava na minha cama.

O coração continuou batendo, eu estava respirando, mas simplesmente, havia perdido a consciência.

E isso é terrível.

Minha síncope me serviu de lição. Não foi nada grave, levantei rápido demais, tive uma queda de pressão. Mas aprendi que:

- Na vida, não podemos apenas respirar e deixar o coração bater. Precisamos estar conscientes de tudo o que está ao nosso redor. Precisamos sentir, nos envolver, participar. Há quem passe anos a fio apenas respirando. Anestesiado por uma perda, uma frustração ou sensação de fracasso.

- Nós não somos os maestros da nossa orquestra. Achamos que estamos no comando, mas a qualquer momento, podemos sair de cena. É bom que a peça de teatro tenha valido a pena. Planejar muito o amanhã e esquecer o hoje, pode ser um grande risco.

- Cuidar da saúde é uma precaução que devemos ter, em qualquer idade. Mas ainda assim, surpresas desagradáveis podem acontecer. O que nos leva a valorizar ainda mais a incrível e frágil máquina chamada corpo humano.

- Jamais, mesmo diante da mais inesperada situação... seja pego com as calças na mão. Aprenda a agir com rapidez e sensatez. E toda a vez que estiver fazendo algo de que possa se envergonhar, lembre-se: você pode ser pego no flagra. Portanto, pense nas consequências antes de contar com a sorte.

- Por último: Não use lingeries velhas, feias e furadas. Afinal, se algo acontecer, você não iria gostar de ser resgatada assim! (Você homem, ó céus, que mico, aquela sua cuequinha bege, cavadinha, sem elástico, já manchada e furada hein?)

Meus queridos: Precisamos viver, com a maior intensidade possível, e saber, que para morrer, basta estar vivo. Consciente disso, aja de modo a se orgulhar de quem você é e do que você fez. Não deixe a vida matar  você sem calcinhas, e sem dignidade.

Um beijo!

5 comentários:

  1. Mas se deixarmos de lado tudo que pode nos constranger ou nos arriscar, não estaremos vivendo sem coragem?

    ResponderExcluir
  2. Oi Maria!!! Não sei onde eu li, mas li, que fazer o certo é o ato mais corajoso que podemos ter. Exige de nós a tomada de decisões, e principalmente deixarmos de lado muitas tentaçoes. Talvez seja uma vida que passe mais longe da aventura, mas acredito que não passe longe da coragem. É só uma opinião, passível de mil análises diferentes... difícil tbém definir o que é certo né... depende de cada um.
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  3. rs....
    ADOREI o texto Michele... cuidado com a vida, a saúde, e as calcinhas...rs...

    =)

    bjs

    Ana
    www.ananumdiadaqueles.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. hahahaha Ana!!! Eu tô cuidando bem das calcinhas e da saúde... já da nossa vida, tem um monte de gente sempre cuidando! haha
    Beijos, sempre visito teu blog!

    ResponderExcluir
  5. Adoro teu jeito divertido de falar coisas sérias!

    ResponderExcluir