Devaneios tolos... a me torturar.

segunda-feira, 30 de julho de 2012

A lição da raposa

A Lição da Raposa...

Fico observando (e claro que já senti na pele) a facilidade com que as pessoas passam um bom verniz na cara e começam a ganhar nossa confiança oferecendo amizade, amor, companhia, carinho, cuidado.

No mundo e na sociedade em que vivemos, sem percebermos nos sentimos carentes de cuidado e atenção. Em meio a turbulência do dia a dia, às crises nas relações, a falta de dinheiro, e a política do cada um por si, é natural que baixemos nossas barreiras e que deixemos o inimigo entrar. Geralmente este tipo de pessoa vai ganhando sua confiança, seu amor, sua dedicação... mas na verdade quer apenas se aproveitar de você de alguma forma. Levar você pra cama. Ser promovido no trabalho. Provar que pode ganhar seu coração. Mostrar para os outros como é bom de lábia. Usufruir de seu círculo social.

Não vou ficar citando quantas pessoas cativaram meu coração e depois viraram as costas me deixando no abandono.

Mas vou sugerir que você leia “O Pequeno Príncipe”, de Saint Exupéry. Aqui vai uma provinha do texto eternizado, porém pouco posto em prática hoje em dia:

“-Bom dia, disse a raposa.
-Bom dia, respondeu o principezinho.
-Quem és tu? És tão bela.
- Uma raposa.
- Vem brincar comigo, propôs o principezinho. Estou tão triste.
- Eu não posso brincar contigo. Não me cativaram ainda.
- Que quer dizer “cativar” ?
- É uma coisa esquecida, disse a raposa. Significa "criar laços". Eu não tenho necessidade de ti. E tu não tens também necessidade de mim. Não passo a teus olhos de uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim ÚNICO no mundo. E eu serei única para ti.
Minha vida é monótona. Mas se tu me cativas, minha vida será como que cheia de sol. Conhecerei um barulho de passos que será diferente dos outros.
Os outros passos me fazem entrar debaixo da terra. O teu me chamará para fora da toca, como se fosse música.
E depois, olha! Vês, lá longe, os campos de trigo? Eu não como pão. O trigo para mim é inútil.
Os campos de trigo não me lembram coisa alguma. E isso é triste!
Mas tu tens cabelos cor de ouro. Então será maravilhoso quando me tiveres cativado. O trigo, que é dourado, fará lembrar-me de ti. E eu amarei o barulho do vento no trigo... - Por favor... cativa-me! - disse a raposa.
-Bem quisera, disse o principezinho. Mas tenho pouco tempo e amigos a descobrir e coisas a conhecer.
- A gente só conhece bem as coisas que cativou, disse a raposa.
Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo pronto na lojas. Mas como não existem lojas de amigos, eles não tem mais amigos. Se tu queres um amigo, cativa-me !
- Que é preciso fazer ?
- É preciso ser paciente. Sentarás primeiro longe. Eu te olharei e tu não dirás nada. A linguagem é fonte de mal-entendidos. Mas cada dia sentarás mais perto... E virás sempre na mesma hora. Se tu vens às 4, desde às 3 eu começarei a ser feliz. Quanto mais a hora for chegando, mais eu me sentirei feliz. Às 4 horas, então, eu estarei inquieta e agitada: descobrirei o preço da felicidade.
Assim, o principezinho cativou a raposa.
Mas, quando chegou a hora da partida, a raposa disse:
- Ah! Eu vou chorar.
- A culpa é tua, disse o principezinho. Eu não queria te fazer mal, mas tu quiseste que eu te cativasse...
- Quis.
- Mas tu vais chorar !
- Vou.
-Então não sais lucrando nada!
- Eu lucro, por causa da cor do trigo. - Eis o meu segredo: Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos.
Assim, o principezinho cativou a raposa.
Os homens esqueceram essa verdade, mas não a deves esquecer: Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.”

Portanto, não te esforces para conquistar alguém, para depois deixar de importar-se com o sentimento que foi despertado. As pessoas que circulam por aí, são comuns e iguais. Mas as pessoas que cativam você se tornam únicas e importantes em seu coração.

2 comentários:

  1. Amo esse livro, esta na cabeceira da minha cama.
    Cuidado, porque tu também cativa, mesmo que nao te des conta.
    Bjs
    Rita C. Bianchi

    ResponderExcluir
  2. Verdade Rita. Todos nós cativamos, o tempo todo. Muitas vezes sem querer.
    Por isso, sempre devemos tratar os demais com um mínimo de respeito e consideração.
    Beijo gata!

    ResponderExcluir