Devaneios tolos... a me torturar.

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

E para todo o resto, existe o photoshop


Oi geeente!!

Não sei se vocês leram a Revista Época, com uma reportagem sobre a inglesa chamada Naomi Jacobs.
Em uma noite, Naomi foi dormir com 32 anos. Na manhã seguinte, acordou com 15. Naomi tinha perdido 17 anos de memória em um caso raríssimo de amnésia. Quando despertou, pronta para encontrar as amigas e paquerar os meninos na escola, descobriu que tudo havia mudado. Horrorizou-se com o fato de ainda morar em Manchester, ter se tornado psicóloga e ser a mãe solteira de um filho de 11 anos, que não reconhecia.

Não tinha familiaridade com celular nem internet, não sabia que o mundo mudara depois do 11 de setembro. Acordou pensando estar no século XX e deparou-se com o século XXI. Despertou pensando que era jovem e tinha todas as possibilidades diante dela. E descobriu que a juventude tinha passado. Em suas palavras:  – Era como se eu tivesse dormido em 1992, como uma garota atrevida e autoconfiante de 15 anos, e acordado como uma mãe solteira de 32 anos.

Aos poucos, Naomi foi recuperando sua memória, e está escrevendo um livro sobre isso. Mas vocês já se imaginaram nesta situação?

Juro, à vezes, não raramente, também me sinto assim. Acordo pela manhã ainda com uma expressão cansada, e no espelho, minha alma de 15 não se reconhece mais.

Os últimos 10, 20 anos passaram voando e eu começo a refletir se me tornei realmente quem eu gostaria de ser.

Muitos dizem que nós fazemos as nossas escolhas, e nossas escolhas nos fazem. Em parte é verdade. Mas nem sempre temos o privilégio de escolher.

E se aquele menino que gostávamos no colégio tivesse realmente se apaixonado por nós? Como teria sido?

E se eu tivesse passado no vestibular para medicina, geologia, teologia? E se aquele acidente de trânsito que trancou a estrada tivesse permitido que eu realizasse aquela prova do concurso público em Porto Alegre? E se eu nunca mais tivesse voltado pra casa depois da faculdade? E se eu tivesse mesmo ido morar na Europa quando surgiu a oportunidade?

E se... E se... E se...

Até os 20 anos o mundo se abre diante de nós com as mais infinitas possibilidades. Lembro de receber conselhos de minha mãe, então com 40, e pensar: - Tá bom, daqui a um século eu vou ter 30.

Que nada, eu também fui dormir e acordei com 30. E o susto não é pela pele e pela carne, que começam a ficar diferentes, e se desprender dos ossos, balançando meio bobas debaixo dos braços e nas coxas. É por outra coisa.

Reparei que quando eu estou sorrindo, se formam, do lado da boca dois sinais em forma de ( ). Sim, duas covinhas em forma de parênteses. Estou sorrindo entre parênteses. Será que estou vivendo assim também?

Faz tempo que não ouço falar de mim mesma por aí. É que faz muito tempo que não saio à noite, não brigo com o namorado, não danço até o amanhecer, não dou gargalhadas no clube, não me meto em confusão entre grupos de amigas.

Ora, até que era divertido.

Vou dizer uma coisa para vocês, para todos vocês, que assim como eu, em várias oportunidades não se reconhecem ou acham que se perderam pelo caminho: ainda é tempo de se encontrar.

A gente se acomoda. E começa a ver a vida passar diante dos olhos e se conformar. Quando estudava jornalismo, tinha uma colega de 63 anos. E eu acho que não tenho mais tempo, nem ânimo para uma aula de inglês.

A idade, muitas vezes nos serve como muleta para deixarmos de correr atrás do que podemos ser, ou alcançar, mas temos medo de tentar pelo pavor da palavra fracasso.

Afinal, fracassar aos 30, 40, 50, é imperdoável. Não é?

Claro que não. Se a inglesa Naomi conseguiu recuperar sua história, sua memória, que tal nós mesmos retomarmos as rédeas das nossas?

Vamos lá. E a imagem da idade da alma está, na verdade, refletida nos olhos.

Para o resto... bom meus amores... para o resto existe photoshop.

8 comentários:

  1. Mas eu estava justamente pensando nisso. Estou cursando psicologia aos 43, mãe de dois filhos. É preciso coragem para reconhecer o que está errado e mudar!

    ResponderExcluir
  2. Marília! haha Eu sei, te admiro. Agora, que tal começar a usar essa conta aí que criei pra ti? Além do teu blog usar meu endereço de email tu não escrevu uma linha! hahaha
    O blog do nada absoluto. Vai escrever mulher! Beijo, saudade!

    ResponderExcluir
  3. " Reparei que quando eu estou sorrindo, se formam, do lado da boca dois sinais em forma de ( ). Sim, duas covinhas em forma de parênteses. Estou sorrindo entre parênteses. Será que estou vivendo assim também?"
    Vou copiar e postar no meu blog, ok? "nuvensnoceu.com"
    Beijos, parabéns.
    Ana Clara Krashinski

    ResponderExcluir
  4. Ana! Não achei tei blog/site... :(
    qual o endereço completo? Bjs!! Obrigado pela visita.

    ResponderExcluir
  5. Michele, sempre leio tuas colunas. E gosto, quase sempre concordo, e mesmo quando discordo, não consigo deixar de ter uma certa simpatia, porque tu sempre se esforça pra agradar. Então, ponto. Sugiro uma academia e que tu pare de ler romances tipo Melancia, porque tu tá virando uma das personagens, que riem de si mesmas... o que também é válido porque todas nós sofremos disso. Mas o que quero dizer é que muitas pessoas aqui da cidade acordam com 15 e começam a agir assim. Esquecem as responsabilidades, ou até mesmo a idade que tem e saem nas baladas, aparecem em fotos do lado de gurizada jovem, depois deixam suas famílias para trás, tentando retomar uma liberdade que já nao existe mais. Algumas responsabilidades de adultos nao podem simplesmente ser esquecidas em nome da diversao. E o pior é q essa adolescência mais do que tardia nao traz felicidade, traz as vezes um sentimento de ridicularidade e vazio. Escrevi isso pra que tu (nós) eles, se olhem no espelho, e percebam que com a idade, algumas posturas precisam ser mantidas.
    Desculpe o desabafo e qualquer coisa. Sucesso.

    ResponderExcluir
  6. hahaha concordo com a academia!
    Sabe, sou a favor do livre arbítrio, e por trás de cada atitude de alguém, até mesmo as mais impensadas, existe uma história e um porquê. Não jutlgo, mas concordo: liberdade com responsabilidade.

    ResponderExcluir
  7. Michele,
    Adoro os seus textos...sempre muito bons, cheios de verdades...

    bjs

    Ana
    www.ananumdiadaqueles.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Oi Anaaa! Também sempre te visito!! Um beijo!

    ResponderExcluir