Devaneios tolos... a me torturar.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Diga-me com quem andas. Não te direi que és.


Oi geeente!!!



Vocês já repararam que às vezes nosso santo não cruza com o de outras pessoas? Isso é muito comum...

Na escola: aquele grupo com o qual você nunca se identificou. Nunca fez trabalho em conjunto. Nunca ficou perto no recreio.
Nas festas: aquele bolinho do qual você nunca fez parte. Aquela turma que parece esquisita, fechada, nariz empinado, formada pelos que você considera piriguetes, nerds, fora da casinha, enfim.... Com hábitos diferentes dos seus.
No trabalho: aqueles com os quais você não consegue dividir experiências, nem se reúne para um bate papo na hora do lanche, não convida para um happy hour.

Nossa... se você for pensar... têm aqueles que não curtem a mesma música que você, aqueles que torcem pelo time contrário, aqueles que se vestem de forma diferente...

A questão principal não é o fato de você “não se misturar” com essas pessoas. Mas sim o fato de como você julga e age com essas pessoas. Eu mesma conheço muita gente, há anos, e nunca consegui ter uma amizade profunda. Ou vejo pessoas quase que diariamente e não consigo sequer trocar um “oi”.

Quando o santo não bate, não bate. Acredito que seja uma questão de química. Senão, como explicar o fato de às vezes, só de trocar um olhar com alguém, você já simpatizar e se sentir à vontade?

E aquele novo amigo, que em um passe de mágica se torna seu “melhor amigo de infância”?

Pois é... o contrário também pode acontecer. Mas a antipatia pelo estilo, pelo grupo de amigos, pelo gosto musical, esportivo... não pode e não deve ser motivo de ódios.

Identifique os grupos com os quais você “não se dá” na cidade. E passe a respeitá-los pelas diferenças. Para ser respeitado também!

Cada um no seu quadrado!

Com o tempo a gente amadurece e começa a ver as coisas de outra maneira. Se você não simpatiza, pelo menos não saia por aí julgando, crucificando, difamando.

As brigas por causa de namorado, de roupa, de time de futebol, disso, daquilo... se tornam tão insignificantes quando coisas realmente importantes passam a fazer parte de sua vida!

Aquela ou aquele que você detestava por este ou aquele motivo fútil, e que pelos mesmos motivos passou a detestar todo o grupo de amigos daquele indivíduo, lá pelas tantas vai seguir seu próprio caminho, deixar de cruzar sua estrada, e tudo vai passar.

Não cultive ódios.
Se ele gosta de vermelho e você de verde, e daí? Gostos, cores, amores, não se discutem.

E falando em amores... quando você se curar do amor não correspondido, nem vai querer saber o que ele vai estar fazendo da vida dele... porque estará vivendo a sua! E aquela lista negra de meninas ou meninos que ficaram com seu amor nem vai mais ter importância.

Diante desta realidade, passe a ter menos rancor, menos mágoa, menos inimigos, menos desafetos!!! Com certeza a única pessoa que vai sair ganhando com isso é você.

E tem mais: precisamos parar de julgar o outro pelas amizades. Nem sempre seu comportamento é igual ao de seu amigo. Se você se relaciona com usuários de drogas, não quer dizer que você use. Se você é amigo de alguém que bebe, não significa que você seja alcóolatra. Se sua amiga se relaciona com muitos homens ao mesmo, não quer dizer que você seja uma prostituta. Se seu amigo é um galinha, não quer dizer que você seja infiel.


Diga-me com quem andas... que não te direi quem és!

 (Obviamente, falo da vida adulta, porque, dependendo da idade, os amigos podem influenciar sim.)

"O diz-me com quem andas e eu te direi quem és não quer dizer nada. Judas andava com Cristo. E Cristo andava com Judas."
Millôr Fernandes

11 comentários:

  1. Qdo somos mais jovens, julgar é normal.
    Não gostar por motivos futeis é habitual.
    A gente cresce e passa a dar valor pra coisas mais importantes... Cada um é cada um e temos que respeitar.
    Se n vou com a cara de alguem, antes preciso saber se ela é realmente o q parece ser. Não temos o direito de julgar naum é mesmo?
    Não faça para os outros o q vc n gostaria que fizessem com vc!
    Adorei a postagem!!

    Bjao
    http://cadaquacomseupiqua.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. É isso mesmo!!! Só que infelizmente às vezes as pessoas carregam pela vida toda esses resquícios da adolescência, e odeiam tudo e todos, e se sentem odiados também... carregar o peso da raiva nas costas não é nada bom! Deixa a pessoa corcunda! :D

    ResponderExcluir
  3. Sou mais do ditado: "Diga-me com quem andas e te direi se vou contigo". Simples e puramente por uma questão de escolha, afinidade, gostos, cores e amores. Esse negócio de julgar as pessoas pela companhia é uma coisa muuuuito antiga que passei minha vida escutando de minha mãe e já falei isso para minha filha. Mas, temos que cuidar mesmo com quem saímos, pela influência que as pessoas tem umas pelas outras. Muito fácil se deixar influênciar, isso não depende de idade, experiência, classe social, cor, etc, isso é inevitável. De uma maneira ou outra, um dia, mais cedo ou mais tarde somos influenciados por alguém. Pode ser bom, mas.... pode não ter volta. Por isso que hoje, sendo mãe, vou repetir mil vezes para minha filha tudo que minha mãe sempre me falava e eu achava que ela estava errada. Conselhos antigos, mas que servem para todos os tempos e direi nmuitas vezes para ela que aquele ou aquela não serve para companhia, porque infelismente existem pessoas assim, que não servem para nada. Existe várias formas de analisar o julgamento que se faz de uma pessoa, julgamos por "fofoca" (esse tem que acabar) ou julgamos por atos. Você colocou assim: "Se você se relaciona com usuários de drogas, não quer dizer que você use". Mas porque se vc não usa drogas tem uma afinidade tão grande com amigos que usam? Tampouco estranho, porque é próprio do ser humano se relacionar com pessoas que tem alguma coisa em comum com vc. Continuo concordando com minha mãe que eu achei por muito tempo que não sabia de nada dessas coisas, e conclui que é a mais sábia, e a sabedoria de mãe começa quando entramos na faculdade da maternidade e nunca mais saímos, nunca nos formamos. Abraços

    ResponderExcluir
  4. Oi Tati! É, tudo tem váaarios lados, e depende da cabeça de cada um. Mas se formos parar pra pensar, no caso que tu citou, olha ao redor hoje... quantas pessoas são usuárias de drogas? Elas não usam roupas pretas, não carregam olheiras na cara e nem andam com seringas por aí... estao em todos os grupos sociais, usam em casa, as vezes ninguém desconfia. É muito complicado julgar os motivos e os hábitos de cada um. Os sábios conselhos das nossas maes têm valor sim! Mas hoje em dia, eu adotei pra mim: faça da sua vida o que quiser. Se precisar de ajuda, conte comigo. Mas se quiser me enfiar no mesmo barco, tô saindo... E claro né, cada cabeça uma sentença. Existem pessoas que sao iguais ao camaleão, com personalidade fraca, se moldam nos outros. Já reparou como tem gte que cria dependência de namorado?? Se o cara é vegetariano, a pessoa deixa de comer carne... e assim por diante. Porém não podemos generalizar, que aí, eu acho que vamos errar feio! :) Beijoo!!

    ResponderExcluir
  5. Vai fazer um esporte e depois mudará sua maneira de pensar,agir e relacionar-se com as pessoas considerando os princípios éticos e morais que norteiam uma Guapocity

    ResponderExcluir
  6. Affe agora todo mundo resolveu me mandar pra academia? :( haha
    Dr Luis Fernando, ajuda aí... As amizades influenciam muito em nosso comportamento? :S

    ResponderExcluir
  7. Quem tem cabeça forte, faz seu próprio destino. Ninguém é coitadinho. Se anda com alguém com problema, e passa a ter o problema, foi total escolha da pessoa. A gente só é o que queremos ser.

    Boa abordagem Miche! Sempre ótimos!

    ResponderExcluir
  8. há amizades que são feitas
    de risos e dores compartilhados;
    outras de escola;outras de saídas,cinemas,diversões;
    há ainda aquelas que nascem
    e a gente nem sabe de quê,
    mas que estão presentes.
    Talvez essas sejam feitas
    de silêncios compreendidos,
    ou de simpatia mútua sem explicação.
    Esta ideia maravilhosa sobre amizade,completa meu estilo de vida,acho que nao precisamos etiquetar os tipos de emaigos,te-los ja é um presente.
    Para alguns eu sou uma amiga problematica,para outros sou a amiga solução,para alguns sou uma perdida,para outros a salvaçao,então,a gente tambem pode ser o problema,depende muito de como nos vemos e da forma como o outro nos ve...sera que pensamos nisto ? !
    Grande e amadissimo beijo .

    jaque

    ResponderExcluir
  9. Jaque!! Que coisa mais linda!!! Tem toda a razao, invertendo essa linha de pensamento do texto, acho que a melhor licao que fica e essa: que tipo de amigo nos somos?
    beijo!!! Tu tem que voltar aqui todos os dias e escrever!

    ResponderExcluir
  10. Perfeito!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!E que siva de reflexão à muitos. bjs!

    ResponderExcluir