Devaneios tolos... a me torturar.

sábado, 1 de dezembro de 2012

O fim do mundo, e o recomeço.

Oi geeeente!!!




Vou confessar um dos meus pecados favoritos: a gula! Escrevendo essa coluna contabilizei o que comi no dia de hoje. Comecei com dois sonhos de valsa e café preto, de manhã. Meu pai fez churrasco ao meio-dia. Minha mãe fez sagú de laranja e pudim. De tarde, torta de seda. Depois, um saco de ruffles e coca-cola. À noite, uma pizza. E agora, antes de dormir, enquanto digito, como um chocolate e tomo guaraná.

Andei pensando sobre o fim do mundo, e sinceramente, uma das coisas que gostaria de fazer se fosse verdade, seria sair devorando até os paralelepípedos das ruas! Comer sem culpa!

Obviamente minhas atitudes teriam suas consequências, e a principal delas seria a celulite, que acumularia em quilos até dia 21 de dezembro. Minha bunda teria mais crateras que a lua! Só fim do mundo daria jeito!

Mas o que quero dizer, com esse papo de fazer o que se tem vontade, é que o mundo acaba muitas vezes, para cada um de nós, ao longo da vida. E ainda assim precisamos encarar o dia seguinte.

Acredito no poeta que diz que cada um de nós é um universo. E, às vezes, nosso universo entra em colapso, e dos restos mortais, construímos um mundo novo.

É assim quando enterramos um sonho, um ente querido, ou um amor.

Nosso mundo termina quando as mudanças acontecem. “Nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia”, canta Lulu Santos. E eu escuto a canção e penso: o segundo que acabou de acabar, jamais voltará. Que pelo menos, ele tenha valido a pena!

O segredo de sobreviver ao fim do mundo, é fazer com que cada final seja inesquecível, ou educativo. E saber aproveitar cada recomeço.

É simples, bem mais simples do que pensamos.

O mundo renasce a cada sol que nasce, posterior àquele dia horrível que tivemos.

A cada janela que se abre, depois que uma porta se fecha.

A cada amor novo que surge, depois que um amor morre de tédio, incompreensão, desamor ou abandono.

Para cada perda, um ganho.

Agora mesmo, há alguém morrendo. Mas há um choro de criança chegando ao mundo.

Há empresas fechando, há pessoas chorando, há famílias se desfazendo. Mas há projetos nascendo, há gente sorrindo, há um novo amor surgindo. Nada renasce, antes que se acabe. (Mais uma frase que eu amo!)

Mais abraço, mais perdão, mais carinho, mais diversão, mais amor, mais tempo livre, mais cuidado, mais compreensão, mais liberdade, mais igualdade, mais paixão, mais amizade.

Menos intriga, menos briga, menos dor, menos indiferença, menos desamor, menos rancor.

Mais sim, menos não.

Celebre cada vez que seu mundo renascer. E ele renasce todos os dias. Deixe para trás as coisas que pesam no seu universo, torne sua vida mais leve, mais prazerosa, menos preconceituosa.

No final das contas, o que vai realmente valer, são os amigos que você cativou, quem você amou, os mundos que cultivou, e que se misturaram ao seu.

Somos cada um, um universo, diferente em sonhos e em necessidades, mas uma coisa é certa: não deixe que seu universo seja uma ilha isolada no oceano.

Porque o fim do mundo, é o fim da fé. É quando você deixa de acreditar!

Não se deixe endurecer. A vida é breve demais para não ser doce!

Um beijo meus amores, feliz fim do mundo! Realize seus desejos, permita-se mais! E no dia seguinte, se o mundo não acabar, nos encontramos na academia!!

Beijooo!

4 comentários:

  1. Te amo muiiito Michele!!!

    ResponderExcluir
  2. Oi Miche amo suas postagens,e nao poderia ser diferente com esta sobre o fim do mundo,concordo com vc,o mundo sò termina para os q nao sabem acreditar em si proprio,somos feitos de carne e osso mas o q nos faz brilhar sao nossos sonhos...bjao e um otimo domingo

    ResponderExcluir
  3. ai que bom, fico bem feliz, e concordo contigo! Beijo, boa semana pra nós!

    ResponderExcluir