Devaneios tolos... a me torturar.

sábado, 14 de janeiro de 2017

Amor maior que eu


Somos feitos de muitas contradições. Bondade, maldade, luz, sombras, solidariedade, egoísmo, humildade, soberba, e todas as ambiguidades que povoam a alma do ser humano. Mas tornar-se mãe, é retirar de dentro de si a melhor parte, e depositar no outro. Não à toa as mães afirmam, assim que dão a luz, que o coração bate fora do peito.
É a melhor tradução da maternidade. Todo seu amor personificado naquele pequeno ser, que até então, era parte de você. É isso.
Está sendo difícil, confesso, perceber que minha menina é um ser além de mim. Ela não sou eu, embora tenha sido. Gerada em meu ventre, alimentada de meu sangue e de meus sonhos, o melhor de mim, dentro de mim mesma.
E agora percebo que ela, não sou eu.
É difícil não ser egoísta nestas horas. Difícil admitir que com apenas três anos ela já seja um ser com personalidade, desejos, rotina e gostos independentes dos meus.
Difícil vê-la escolher suas roupas, decidir por si se quer o cabelo preso ou solto, afirmar que não gosta disso ou daquilo e expressar sua vontade diante de passeios e programações.
Vejo-a dançando suas coreografias, cantando suas musiquinhas e criando personagens imaginários em suas brincadeiras infantis.
Suas frases e conclusões próprias e as coisas que diz e que nunca antes tinha escutado no ambiente familiar. Ela já pensa por si só. E absorve informações muito além de casa.
Ela cresceu. Não é mais o bebê dependente, e eu não sou mais a mamãe canguru.
Como dói e como me alegra olhar da plateia, ou como mera coadjuvante, minha pequena menina em cena, a brilhar num papel que é só dela.
Neste dia 18 de dezembro, minha garotinha completa 3 anos. Oficialmente entra na infância. “Mãe, eu não sou mais bebê”.
Verdade Olívia. Embora eu sempre te ofereça meu colo, percebo que preciso deixá-la construir caminhos pelos próprios passos.
Vejo da maneira mais clara e realista possível que sim, somos frutos do meio onde vivemos, dos sentimentos e educação que recebemos, das oportunidades que obtemos, mas acima de tudo, viemos pra esse planetinha prontos.
Não somos marionetes. Embora sejamos seres lapidados pela vida, quando descemos a esse mundo pelo ventre de nossas mães, já somos um ser com características próprias e únicas. Uma joia rara.
Meu pequeno diamante!
Reparo no seu senso de humor, personalidade. No seu riso fácil e na sua sensibilidade incrível. Na sua pureza e inteligência. Nas suas decisões e em seus medos.
Percebo que não sou você. Fui apenas um instrumento de algo maior, uma força além de mim mesma, para trazê-la a este mundo, para cumprir sua missão.
Fui ponte. Fui meio. Você é o fim.
Uma obra de arte que já não pertence ao artista.
Todas as mães precisam controlar esse sentimento de posse em relação aos filhos. Tenho praticado isso diariamente. Tenho dividido você, meu diamante, com o mundo.
Você é livre, independente. Você é um ser individual e completo.
Mas eu já não sou. Porque foi em você que depositei o melhor de mim. Como uma doadora de órgãos, deixei meu coração bater fora do peito. E dentro dele, está a única felicidade possível para uma mãe:
A felicidade de dar asas para um filho voar e ser eterno ninho, para quando ele quiser voltar.
Não posso simplesmente dizer que te amo. Porque você é meu amor, puro e verdadeiro, que respira, sorri e vive, fora do meu peito.
Feliz aniversário, minha menina!

Nenhum comentário:

Postar um comentário