Devaneios tolos... a me torturar.

segunda-feira, 13 de abril de 2009


Oi geeeente!!!!!! Tudo bem com vocês? Hoje vou dizer uma coisa que considero importante:
Valorize as pessoas que estão perto de você e que você ama. Não esqueça dos amigos. Não poupe elogios, abraços e beijos bem dados.


Nunca deixe pra amanhã, nem pra depois de amanhã o que você pode dizer de BOM hoje. E deixe para amanhã, depois de amanhã ou nunca... coisas não tão boas.
Se você não tem absolutamente nada de bom a falar sobre alguém. Simplesmente não fale dessa pessoa.


E homenageie muito, todos os dias, em vida... aqueles que merecem suas homenagens!
Falo isso, porque considero justas as homenagens pós morte, mas mais justas ainda são as homenagens em vida!!!

Homenagens...

Gente, tenho acompanhado uma série de homenagens em Guaporé... alguns são a favor, outros nem tanto. Não importa... homenagear não ofende, né?

Então, aproveitando a oportunidade... gostaria de homenagear o Dr. Yvo Pintanguy, pra ver se consigo uma plástica completa, de graça, do mindinho até o último fio de cabelo... Daquele tipo de remoçou a Vera Fischer em 20 anos. Me contaram que toda a vez que ela tenta fechar a boca... tem um outro lugar nos países baixos que abre... tamanha esticada na pele da criatura...

Mas pensando bem... merecida mesmo a é homenagem sincera, por aquele que fez algo por mim sem pensar em recompensa...
Então homenageio meu namorado, que me “adotou” quando eu tinha bigodinho, peito ovo frito, sobrancelha de taturana e cabelo Chitãozinho e Xororó! Será que foi amor à primeira ( e tenebrosa) vista? Ou será que ele era tão interesseiro que vislumbrou a mulher “felomenal” que eu me transformaria? Rsrsrsrsrssrrsrs

Homenagear ou não homenagear... eis a questão!

Se não posso ser quem sou... o que me tornarei?

Outro dia cheguei em casa do trabalho, sentei no sofá, liguei a TV e fiquei olhando para o teto.
Fiquei ali... um bom tempo.
Depois me dei conta de que ultimamente é o que tenho feito e muito. Muito além do que devia.
Guaporé não é uma cidade fácil... se você sai na rua bem arrumada... está caçando.
Se você sai esculachada, está falida, depressiva, foi chifrada ou algo do tipo.
Se você se diverte, ri e é simpática... é bêbada, oferecida e piranha.
Se é séria, é antipática, metida e “se acha”.
Diante de uma série de interpretações erradas do que fazemos, como agimos e o que nos motiva a agir desta forma, temos duas opções:

1- Não levar em consideração o que os outros pensam e falam e viver a vida feliz com quem somos e como somos.
2- Não sair mais de casa e ficar com a TV ligada, olhando para o teto.

E aí? O que me sugerem?

Genteeee!!!! Essa é o máximo! A Jaque que me enviou!
Eu simplesmente detesto o tipo de gente que vive falando que casamento não é bom.... pois o diabo não se casou e Jesus morreu solteiro.
Mas... Casamento é tudo de bom! E claro, claro que pode dar certo!
Temos um exemplo disso!

“Minha mulher e eu temos o segredo para fazer um casamento durar:Duas vezes por semana, vamos a um ótimo restaurante, com uma comida gostosa, uma boa bebida e um bom companheirismo. Ela vai às terças-feiras e eu, às quintas. Nós também dormimos em camas separadas: a dela é em Fortaleza e a minha, em SP. Eu levo minha mulher a todos os lugares, mas ela sempre acha o caminho de volta. Perguntei a ela onde ela gostaria de ir no nosso aniversário de casamento, "em algum lugar que eu não tenha ido há muito tempo!" ela disse. Então, sugeri a cozinha. Nós sempre andamos de mãos dadas... Se eu soltar, ela vai às compras! Ela tem um liquidificador, uma torradeira e uma máquina de fazer pão, tudo elétrico. Então, ela disse: "nós temos muitos aparelhos, mas não temos lugar pra sentar".Daí, comprei pra ela uma cadeira elétrica. Lembrem-se: o casamento é a causa número 1 para o divórcio. Estatisticamente, 100 % dos divórcios começam com o casamento. Eu me casei com a "senhora certa".Só não sabia que o primeiro nome dela era "sempre".Já faz 18 meses que não falo com minha esposa. É que não gosto de interrompê-la. Mas, tenho que admitir: a nossa última briga foi culpa minha. Ela perguntou: "O que tem na TV?" E eu disse: Poeira.”
O texto é do maravilhoso Luis Fernando Veríssimo.

Mas mudando novamente de assunto... comprei na Shock um livro que devorei em poucas horas. O Leitor.
Meu pai!!!! Fiquei atordoada com o livro. Começa com um jovem de 15 anos se envolvendo com uma mulher mais velha. Com ela, ele aprende a amar. Tem experiências que marcam sua vida para sempre. Mas misteriosamente ela desaparece de sua vida, e só ressurge anos depois, quando o jovem está cursando direito e acompanha um julgamento contra quatro mulheres acusadas de homicídio durante o período nazista. Elas eram soldados nos campos de concentração. E uma delas é a mulher com a qual ele havia se envolvido.
No julgamento ele descobre uma vergonha, um segredo, ainda mais terrível do que ser acusada de assassinato.
E nós, com ele, vamos nos deixando envolver e vamos nos questionando coisas sobre nossas vidas, nossos sentimentos, nossas vergonhas e nossas VERDADES. Sobre o que deixamos de explicar e sobre o que deixamos de entender. Um livro maravilhoso. Perturbador. De Bernhard Schlink, e que virou filme, também divino, estrelado por Ralph Fiennes e Kate Winslet.

5 comentários:

  1. Esse LFV...

    Se a cama dela é em Fortaleza e a dele em Sampa, certo é que não vai dar.

    Eu gostei do filme com a Kate Winslet, é relamente perturbador. Esses fantasmas do passado (torturas e coisas do gênero) quando se misturam com amor nunca dão certo (também não!).

    Todas as fotos do Blog são muito bonitas, a propósito. Eu nem vim aqui falar disso.

    Mas são.

    Todas!!!

    ResponderExcluir
  2. Guaporé não é uma cidade fácil, palavras de Michele.

    Ainda bem, né?!

    ResponderExcluir
  3. Edson meu querido... definitivamente Guaporé não é fácil... mas que cidade é?

    ResponderExcluir
  4. Eu sei, Guaporé, que nome. Eu adoraria conhecê-la, um dia.

    ResponderExcluir