Devaneios tolos... a me torturar.

sábado, 21 de março de 2009


Meus 30 anos...


Você até pode pensar... “- Sim, e eu com isso?”. Mas eu estou deprimida porque neste dia 18, estou de aniversário. Enquanto muita gente fica super feliz, eu desde que me lembre, nunca gostei de comemorar aniversários. Estranho né?

A nova Balzaquiana: bem vinda Michele, aos 30 anos de idade, que há uns dias atrás pareciam tão distantes. Não sei como me sinto a respeito disso, mas com certeza esse é um marco na vida de uma mulher.

Dizem que a vida de uma mulher começa aos 30. Pena que o corpo se acabe aos 30. Sim, queridos e queridas. Depois de uma noitada, a nova trintona acorda com as olheiras do Kung Fu Panda. Se belisco minha pele, ela demora em torno de 15 minutos para voltar ao normal. Se antes uma base já fazia a diferença no meu rosto, agora nem reboco dá jeito. Outro dia achei um cabelo branco.

Calma gente, tudo bem. Estou ótima.

Não chego ao ponto de cortar os pulsos. Mesmo porque disseram que no futuro vão descobrir a cura para a celulite. Quero estar viva, e cheia delas para entrar para a história da ciência.

Mas voltamos aos 30 anos... você já ouviu falar das Balzaquianas? Bom, sou a mais nova delas. Bem vinda à turma Michele!

Muitos já ouviram ou usaram o termo "balzaquiana" para designar um certo tipo de mulher. Mas nem tantos, realmente, chegaram a ler “A Mulher de Trinta Anos", de Honoré de Balzac. O escritor francês viveu na primeira metade do século XIX (1799-1850) e é este o ambiente que encontraremos em sua obra. Ele, naquela época, já entendia o universo libertário que nós mulheres desbravamos diariamente neste mundo cão masculinizado.

Na minha infinita choradeira, por ter deixado a casa dos 20, recebi de um homem inteligente, um texto maravilhoso que repasso para vocês, que fala da balzaquiana:

“A mulher de trinta anos sabe quem é e sabe bem o poder que tem. Não precisando mais de muitos dos joguinhos que algumas jovens fazem para testar sua capacidade, ela se dedica a outros jogos, muito mais interessantes e excitantes. Relacionar-se com uma mulher de trinta anos é ensinar e aprender. É ter uma amante perfeita e, ao mesmo tempo, uma companheira de humor sem frescuras e uma amiga capaz de te entender. A mulher de trinta anos está mais apta a entregar-se ao amor sem medo. E se for paixão? Ela não perde tempo buscando definições semânticas, ela simplesmente vive! Mas você aí, que já está com água na boca, não pense que é fácil conquistar uma mulher de trinta anos. Hoje elas são muito mais interessantes e complexas do que eram na época de Balzac, porque são acima de tudo independentes. A mulher de trinta anos é segura de si até quando procura um colo. Ela não tem mais vergonha de ser menina quando precisa, afinal, o que fazer? De minha parte, não tento mais compreender tamanha complexidade (o homem que tenta entender as mulheres é um tolo, simplesmente não as merece); e apenas vivo minha paixão intensamente, cada dia mais fascinado pela mulher de trinta anos...”

Pois agora, como boa Balzaquiana que sou, resolvi encarnar a Tieta do Agreste e tornar-me “Senhora das minhas vontades... e dona de mim”. Mas confesso, está difícil...

A mulher balzaquiana, na verdade, é tudo o que eu gostaria de ser. Mas ainda não sou, apesar dos 30.

A mulher balzaquiana existe de verdade? Porque eu, ainda tenho medo do escuro. - Mãe... deixa a luz do corredor acesa. Porque no corpo de 30, ainda há a menininha de 3 anos de idade...

Mas pensando bem... estou feliz. Das mulheres guaporenses que admiro, acho lindas, cheias de charme, estilo, inteligência e independência, quase na totalidade, elas tem mais de 30!

E viva as balzaquianas!

Mas gente, o Orkut mudou a maneira como comemoramos o aniversário: sim. Todos aqueles seus amigos, próximos, distantes, virtuais ou não, perdem um tempinho do seu dia para te desejar feliz aniversário. Quem tem Orkut sabe do que eu estou falando. Muita gente não dá bola pra isso, mas eu considero muito legal. Porque se você pensar na quantidade de pessoas que dedicaram um pouquinho do seu tempo para escrever, e automaticamente pensar coisas boas para você, imagine a corrente de energias positivas que você recebe no dia do seu aniversário! E viva a tecnologia aproximando as pessoas!

Mas a coluna dessa semana é totalmente dedicada às mulheres mais maduras... então... vamos publicar também o texto: “A lingüiça”. Creditado à Arnaldo Jabor.

A linguiça...

A medida que envelheço e convivo com outras, valorizo mais ainda as mulheres que estão acima dos 30. Elas não se importam com o que você pensa, mas se dispõem de coração se você tiver a intenção de conversar. Se ela não quer assistir ao jogo de futebol na tv, não fica à sua volta resmungando, pirraçando... vai fazer alguma coisa que queira fazer...

E geralmente é alguma coisa bem mais interessante.

Ela se conhece o suficiente para saber quem é, o que quer e quem quer. Elas definitivamente não ficam com quem não confiam; mulheres se tornam psicanalistas quando envelhecem.

Você nunca precisa confessar seus pecados... elas sempre sabem...

Ficam lindas quando usam batom vermelho. O mesmo não acontece com mulheres mais jovens...

Por que será, heim?? Mulheres mais velhas são diretas e honestas. Elas te dirão na cara se você for um idiota, caso esteja agindo como um! Você nunca precisa se preocupar onde se encaixa na vida dela. Basta agir como homem e o resto deixe que ela faça...

Sim, nós admiramos as mulheres com mais de 30 anos! Infelizmente isto não é recíproco, pois para cada mulher com mais de 30 anos, estonteante, bonita, bem apanhada, sexy, e bem resolvida, existe um homem com mais de 30, careca, pançudo em bermudões amarelos bancando o bobo para uma garota de 19 anos...

Senhoras, eu peço desculpas por eles: não sabem o que fazem! Para todos os homens que dizem: 'Por que comprar a vaca, se você pode beber o leite de graça?', aqui está a novidade para vocês: hoje em dia 80% das mulheres são contra o casamento, e sabem por quê?

Porque 'as mulheres perceberam que não vale a pena comprar um porco inteiro só para ter uma lingüiça!'


Nada mais justo!

* Arnaldo Jabor

Hihihi... tadinhos dos homens, vamos combinar que não é pra tanto! Todas nós queremos levar para casa um belo exemplar masculino. No fundo, eles são indispensáveis!

3 comentários:

  1. Indispensável, indispensável mesmo é o "Devaneios tolos... a me torturar".

    Que de tolos, não têm nada.

    Benzadeus!!!

    Em tempo: a foto que ilustra esse post é deslumbrante: maquiagem, cabelo esvoaçante, pele irretocável, ternura, profundidade no olhar...

    Até saber que é (ela, a foto) de uma balzaquiana (eu não te daria 30 anos, nunquinha) o olhar atento meio que já se apaixonou.

    Já era.

    Coi-ta-do de eu!!!

    ResponderExcluir
  2. É mais uma obra do meu amigo Cassiano, que está em São Paulo... longe de mim. Mas que quando vem pra cá me presenteia com fotos lindíssimas!

    ResponderExcluir